O Canal Futura exibe a partir da próxima terça-feira, dia 18 de março, às 23h30, uma série inédita sobre o escritor matogrossense, Manoel de Barros. A produção "Paixão pela Palavra – Manoel de Barros" terá cinco episódios e retrata a biografia do poeta.

Conheça um pouco mais sobre cada episódio:

Episódio 1

Auto-retrato falado, apresenta a infância de Manoel de Barros no pantanal matogrossense, onde experimenta suas primeiras impressões acerca do mundo e com a linguagem. "Eu hoje amo as pobres coisas do chão porque fui criado com elas", disse Manoel, que faz das coisas pequenas e "insignificantes" o substrato de sua obra.

Episódio 2

Entre o mar e o mato, apresenta o período em que Manoel de Barros vive no Rio de Janeiro, a partir dos 10 anos de idade para dar continuidade aos seus estudos. No Rio, Manoel vive a experiência do internato no Colégio, encontra os livros da Biblioteca Nacional e seus livros, se interessa por política e finalmente conhece Stella, que viria a ser sua companheira de toda vida e mãe de seus três filhos.

Episódio 3

O guardador de águas, apresenta o retorno de Manoel de Barros, já adulto, ao pantanal para cuidar das terras deixadas pelo seu pai. A fundação da fazenda Santa Cruz, e a abstenção de 10 anos sem escrever fazem parte desse período da sua vida dedicada ao trabalho e ao cuidado com a família . Porém, trata-se de um período profícuo em que conhece e "cataloga" muitos dos personagens que compõe sua obra, dentre eles Bernardo da Mata, que de acordo com o poeta, "faz encurtamento das águas".

Episódio 4

Admirações, reúne os admiradores e os admirados de Manoel de Barros. Os artistas plásticos, escritores, compositores, e cineastas que influenciaram a sua obra se misturam aos que foram influenciados pelo poeta. Beatriz Segall, Luiz Melodia, Claufe Rodrigues, José Mindlin, Siron Franco, dentre outros, localizam a poesia de Manoel de Barros no cenário literário contemporâneo.

Episódio 5

Do erudito ao popular, é o episódio que apresenta o processo de popularização da poesia de Manoel de Barros. Apesar de escrever seu primeiro livro em 1937, sua poesia conquista o público leitor em meados dos anos 80, relembrando um artigo do Millor que dizia "olhai, moçada, poesia é isso". Sua poesia também ganha novas expressões artísticas , sendo adequada para o teatro, cinema e televisão.