A batalha de comunicados entre as empresas envolvidas na crise iniciada pela retirada do canal MTV Brasil da grade de programação da SKY parece não ter fim. Na noite da última quarta-feira, dia 18 de junho, os Canais Abril de Televisão enviaram novo comunicado rebatendo e esclarecendo alguns pontos considerados incorretos no informe produzido pelas Organizações Globo. Confira abaixo a íntegra do comunicado:

"1 – O processo que as Organizações Globo dizem que ganharam no CADE ainda não foi julgado, conforme esclarecimento feito pelo próprio órgão, no dia 18/06/08. Vide o link http://www.cade.gov.br/noticias/vernoticia.asp?cn=276

2 – Conforme contrato social registrado na junta comercial, a Globo tem poder de veto na compra e renovação de conteúdo nacional, apesar de possuir participação minoritária na SKY.

3 – A Net Serviços possui acordo de acionistas de teor público registrado na CVM do qual consta cláusula(especificamente cláusula 5 do referido contrato) concedendo direito à Globo para proibir contratação de conteúdo nacional e dos grupos Televisa e Cisneros.

4 – Os canais Globosat só vieram a ser distribuídos pela TVA e por outros operadores independentes por determinação do CADE após longo processo que obrigou que os canais de esportes da Globosat sejam ofertados de forma não exclusiva para todos operadores de TV paga. Essa obrigação cessará em 31/12/2008.

5 – Canais de conteúdo nacional do Grupo bandeirantes (BandNews e BandSports) só começaram a ser distribuídos pela Sky após determinação do CADE nesse sentido. A Net Serviços não distribui o canais Band News, Band Sports, Woohoo e o Cine Brasil. Vale ressaltar que Band News foi lançado em 2001 e Band Sports em 2002 e até o momento não conseguem distribuição na Net Serviços.

6 – As Organizações Globo têm as mesmas pessoas como representantes no Conselho de Administração das seguintes empresas: SKY, Net Brasil, Globosat e Net Serviços demonstrando a clara influência do Grupo Globo em toda a cadeia produtiva da tv paga brasileira. A mesma pessoa é diretor da Globosat e da Net Brasil, esta última responsável pela compra de programação nacional para SKY e Net Serviços. A Net Serviços e a Sky tem liberdade para adquirir conteúdo internacional sem a intermediação da Net Brasil.

Os esclarecimentos acima demonstram que o controle da maior rede aberta do país é feito pelo mesmo grupo que controla a distribuição dos canais de TV paga. Isto é fato, não interpretação.

O que está em jogo é o direito de produzir – e ter onde exibir – conteúdo nacional de qualidade para milhões de brasileiros. O que está em jogo é o direito dos brasileiros de acesso à múltiplas fontes de informação."