A semana promete no programa Happy Hour, exibido GNT a partir das 19h. Para começar, o programa pega carona na novela “Viver a Vida” – na qual uma das personagens acaba de ficar tetraplégica – e discute o tema acessibilidade.

Apesar de alguns avanços na legislação para locais públicos, como melhorias em teatros e metrôs, o Brasil, de um modo geral ainda dá condições precárias ao livre acesso de pessoas com problemas de locomoção e outras limitações físicas.

Na terça-feira, dia 24, o programa fala sobre mães solteiras. De 1970 para cá, o número destas mulheres aumentou em cerca de cinco milhões. A ausência de um marido ou parceiro deixou de ser impedimento para o desejo de ter filhos. Um número cada vez maior de brasileiras solteiras opta por assumir uma gravidez, adotar uma criança ou recorrer a um banco de sêmen para realizar o sonho. Há também aquelas que se veem como únicas responsáveis pela criação dos filhos depois da separação.

O que as mulheres pensam dos homens? Esta é a pergunta do “Happy Hour” de quarta-feira, dia 25. Astrid Fontenelle quer saber quais são os principais defeitos dos homens, e se é possível mudá-los. Enquanto isso, Fred Lessa vai a uma mesa de pôquer, tipicamente masculina, e pergunta a “eles” qual é o principal defeito “delas”. Na quinta-feira, dia 26, os homens dão o troco: Caco Ciocler e Rodrigo Veronese dizem no estúdio o que mais gostam e o que mais odeiam nas mulheres. E Diana Bouth vai a uma partida de futebol feminino, para saber “delas” o que há de mais irritante “neles”.

Sexta-feira, dia 27, é o Dia Nacional do Câncer de Mama e o assinante conhece a história do educador Antonio Celso Pasquini, que descobriu, tratou e se curou de um câncer de mama. E também: Astrid e Fred colocam em debate os assuntos de maior destaque na semana.

O programa Happy Hour também é reprisado de segunda a sexta, às 2h e às 12h30.