A TV Cultura preparou uma programação especial para o período de carnaval. Entre os dias 12 e 20 de fevereiro, a emissora traz programas com artistas que marcaram época, como Martinho da Vila, Paulinho da Viola, Cartola, Dona Ivone Lara, entre outros

Quem abre a festa, na sexta-feira (12/2), às 20h30, é a cantora Daniela Mercury no Expresso Brasil. A baianinha de rua, como ela se define, fala dos conterrâneos que são famosos, da cozinha de tempero forte e da tradição do estado da Bahia, que manteve a cultura negra como raiz de seus costumes. Também comenta sobre o candomblé, como complemento do catolicismo. Entre outros assuntos, explica o trabalho da escola do Olodum, que ensina música para crianças carentes.

Logo em seguida, às 22h30, entra no ar o documentário Sou negro, não sei sambar, que dá voz a um negro que busca se reencontrar com sua cultura. Criado em um ambiente predominantemente branco, com uma educação de classe média, o personagem busca afirmar a sua negritude. Seu avô é um dos fundadores do movimento negro e da escola de samba Nenê da Vila Matilde, em São Paulo. Agora, aos 34 anos, ele toma a decisão de aprender a sambar, tocar cuíca e entrar para a bateria da escola. O filme é dirigido por Patrício Salgado.

No sábado (13), a partir das 23h30, o público confere Germano Mathias no documentário Ginga no asfalto, dirigido por André Rosa e Guilherme Vergueiro. O músico pode ser considerado um dos grandes ícones da cena musical brasileira do século XX. Foi um dos maiores vendedores de discos nas décadas de 1950 e 1960, quando lançou o samba sincopado. É o próprio artista que define os assuntos sobre os quais quer falar, os lugares onde quer estar e as músicas a serem gravadas. É a visão do artista sobre si mesmo.

Já no domingo (14), às 5h, o programa Ensaio traz o Monobloco. Pedro Luís, um dos líderes da banda, fala sobre a revitalização do Carnaval de rua do Rio de Janeiro, que ganhou força graças ao trabalho do grupo. No mesmo dia, à noite, às 20h, a emissora apresenta outro documentário, Geraldo Filme, que leva o nome de um dos principais incentivadores e renovadores do samba na capital paulista. Com participação especial de Demônios da Garoa, Itamar Assumpção, Oswaldinho da Cuíca, entre outros, o filme é dirigido por Carlos Cortez. O compositor e cantor foi o primeiro presidente da União das Escolas de Samba do Estado e um dos diretores da Vai-Vai. Morreu em janeiro de 1995, aos 67 anos.

Entre segunda (15) e sábado (20), o público confere ainda, sempre às 20h, edições especiais do Mosaicos – programa que mostra os feitos de várias gerações de artistas que fizeram e fazem a história da MPB. Os documentários homenageiam, nos seis dias, respectivamente, Adoniran Barbosa, Cartola, Dona Ivone Lara, Martinho da Vila, Moreira da Silva e Paulinho da Viola.