A transmissão da Copa do Mundo da África do Sul pela operadora de TV por assinatura DIRECTV em território uruguaio se tornou motivo de confronto judicial entre a empresa e o Canal 10, um dos proprietários dos direitos de exibição naquele país.

O Canal 10 informou através de um comunicado lido em um de seus noticiários que promoverá "ações legais" contra a DIRECTV alegando que a operadora se "apropriou sem nenhuma autorização dos direitos de propriedade televisiva" que pertencia ao canal.

A crise começou quando a DIRECTV tentou negociar os direitos de transmissão com os canais 4, 10 e 12 do Uruguai. Entretanto, não foi possível um acordo prévio e uma proposta havia sido firmada com os canais 4 e 12, mas ainda assim dependia de aprovação do Canal 10 que demonstrou não ter interesse. Por conta disto, a DIRECTV optou por transmitir o seu próprio sinal em vez dos disponibilizados pelas emissoras locais.