O Viva “roda, roda, roda e avisa” que no sábado de carnaval, dia 18, os assinantes vão soltar confetes e serpentinas com o “Cassino do Chacrinha” inédito no canal, especial para os festejos dessa época carnavalesca. Convidados, como Neguinho da Beija-Flor, Jair Rodrigues e Alcione, entram no clima da folia, no programa exibido originalmente em 1988.

O “Cassino do Chacrinha” tem início como deveria, com o maestro Sodré animando o público do auditório ao som de várias marchinhas de carnaval, como “Cabeleira do Zezé”, “Allah-lá-ô” e “O teu cabelo não nega”. Toninho Geraes é o primeiro convidado, apresentando uma de suas canções de sucesso da época, “Melão com Melancia”. Chacrinha dá uma palhinha durante todo o programa cantando sua marcha da camisinha: “Bota camisinha, bota meu amor, que hoje está chovendo, não vai fazer calor”. O Grupo Só Preto, o Grupo Raça e o Fundo de Quintal, com Arlindo Cruz, se apresentaram para Abelardo Barbosa e sua plateia, dividida entre camisas vermelhas e amarelas para competir na empolgação.

No mesmo ano em que o prefeito do Rio de Janeiro, Saturnino Braga, decretou a falência do município, ele entregou em fevereiro, como de costume, as chaves da cidade para o Rei Momo Bola (Reynaldo de Carvalho) e para a Rainha do Carnaval Cida Mesquita. Os dois e o secretário de cultura do município do Rio, Miguel Angelo Oronoz Proença, estiveram no “Cassino do Chacrinha” para conversar sobre o carnaval de 88 (ano bissexto, como em 2012, e que teve dias depois do carnaval chuvas torrenciais na cidade, durante quatro dias).

Neste mesmo ano, a Unidos de Vila Isabel venceu na Sapucaí com o enredo "Kizomba, a Festa da Raça", idealizado pelo compositor Martinho da Vila. Porém, como foi seu primeiro título, não era uma das favoritas à campeã em 1988 e não mostrou seu samba no programa, no sábado anterior ao carnaval, como as escolas cariocas Império Serrano, Caprichosos de Pilares, Mocidade Independente de Padre Miguel, Acadêmicos do Salgueiro, União da Ilha, Unidos do Cabuçu, que em 88 pertencia ao grupo especial (permaneceu durante seis anos consecutivos, entre 1985 e 1990), e Portela (que encerrou o “Cassino” com “Briga, eu, eu quero briga/ Hoje eu venho reclamar/ O que que tem, o que que há”); e ainda as paulistanas Mocidade Alegre e Nenê da Vila Matilde, com um samba sobre a Zona Leste de São Paulo, que teve seu desfile marcado como um dos melhores do carnaval.

O baiano Djalma Oliveira, hoje gerente de marketing do Chiclete com Banana, mostra seu hit do início de carreira. Guilherme Arantes canta “Um dia, um adeus”, lançada em 1987. Chacrinha recebe também o pernambucano Nando Cordel, a atriz, dançarina e cantora Tânia Alves, e as bandas Ultraje a Rigor (cujos integrantes subiram ao palco vestidos de mulheres, bem ao estilo dos blocos do Rio, e cantando cinco músicas, sendo a primeira “Eu gosto de mulher”, como não poderia deixar de ser) e Titãs, ainda com Arnaldo Antunes como vocalista.

Cassino do Chacrinha, especial carnaval
(excepcionalmente nesses dias não teremos a exibição de “Som Brasil”)
No ar sábado, dia 18, às 23h
Horários alternativos: domingo, dia 19, às 17h; e sábado, dia 25, às 19h