Há coisas que são tão corriqueiras que não damos a devida atenção. Esse é o mote de Grande História e Pequenas Coisas que o HISTORY estreia no dia 4 de junho, segunda-feira, às 22h. O programa busca na história humana as pequenas coisas que tornam a vida mais fácil, embora dificilmente se pare para pensar sobre como elas surgiram.

O documentário se debruça sobre atitudes como colocar uma gravata ou tomar um ônibus que podem parecer comuns, mas estão inseridas num contexto histórico. Outro objeto de análise do programa é um artefato sem o qual as refeições de hoje seriam impensáveis – o garfo. Alguns de seus primeiros registros datam do fim do século XV, quando a corte de D. Manuel I já se servia à mesa com eles. O garfo, no entanto, só veio a se popularizar entre a aristocracia e a burguesia da corte de D. João III, em 1836, época em que o talher já tinha o quarto dente. Essa inovação surgiu a pedido do Rei Fernando II das duas Sicílias, no século XVII, que não gostava da forma como o espaguete escorregava entre os três dentes do garfo.

Entre outras curiosidades, Grande História e Pequenas Coisas traz ainda a história da invenção do botão, que sofreu repulsa tanto por parte de mulheres quanto de homens ao se popularizar na Idade Média, quando as roupas eram cosidas no corpo e era preciso descosturar o vestido para tirá-lo. As senhoras, inclusive, tinham o costume de levar agulha e linha aonde fosse, de forma que os botões tiveram de conviver com o estigma do despudor por um longo tempo.