A Mesoamérica ou América intermediária é a região que compreende o sul do México e os territórios onde hoje se localizam a Guatemala, El Salvador, Belize e o lado ocidental da Nicarágua, Honduras e Costa Rica. Lá se desenvolveram as civilizações pré-colombianas olmecas, teotihuaucas, astecas e maias. Eram povos que, além de uma cultura avançadíssima, possuíam mitologias tão interessantes quanto a grega e a romana. A série Confronto dos Deuses: América Latina, que o HISTORY estreia no dia 30 de maio, quarta-feira, às 22h, revela as histórias dos deuses mais relevantes dessas culturas.

O programa reconstitui parte da história e recria relatos que sobreviveram por milhares de anos graças à transmissão oral. No primeiro episódio, o personagem é Quetzalcóatl, certamente o mais poderoso da Mesopotâmia, sempre encontrado, de uma forma ou de outra, em todas as culturas da região. Confronto dos Deuses: América Latina narra a história de seu nascimento, a criação do mundo e do homem e seu trágico destino. Seu poder era tal que os astecas acreditaram que o invasor espanhol Hernán Cortez, responsável pela queda de sua civilização, fosse sua reencarnação.

Confira os episódios da nova série em junho, sempre às quartas-feiras, às 22h:

Dia 6 de junho é a vez de Coatlicue, uma das figuras mais impressionantes da religião asteca segundo os conquistadores. Era vista como doadora da vida e geradora do deus mais poderoso dos astecas, Huitzilopochtli, mas era também a deusa da morte. O relato finaliza com um incrível paralelismo entre ela e a Virgem de Guadalupe, padroeira do México.

Hunahpue Ixabalanque são os destaques do dia 13 de junho. Eles são dois heróis gêmeos do Popol-Vuh, o livro sagrado dos maias, obra que sobrevive até os dias atuais. É uma história de vingança, continuidade e a engenhosidade da própria criação do mundo maia.

E no dia 20 de junho é a vez de Pachamama, deusa mãe dos incas. A história da protetora da natureza é cheia de tragédias, vinganças e amor e o especial vai narrar as descobertas sobre a mitologia que descreve seu casamento com Pachacamac, o deus do céu, seus filhos e seu cruel cunhado. É a história de uma deusa que até hoje é um dos símbolos máximos da luta pela ecologia em todo o planeta.