Minha voz é feito mulher de malandro: quanto mais apanha, melhor fica”. Esta é uma das declarações dadas por Elza Soares durante sua participação no programa de Sarah Oliveira no GNT, o “Viva Voz”. O episódio será exibido na sexta-feira, dia 22 de junho, às 21h30.

A cantora e compositora recebeu Sarah em sua casa, no Rio de Janeiro, para uma conversa sobre carreira, personalidade e voz, afinal, a própria Elza assume que já foi motivo de estudo de fonoaudiólogos por ter um timbre diferenciado. “Muitos duvidaram que eu poderia cantar por muito tempo. Me deram uns três meses de voz!”. A convidada completou: “É um presente de Deus. Eles se enganaram”. Durante o bate-papo, revelou ainda nunca ter feito aula de canto.

A conversa foi parar também na altura da convidada, que assumiu “sem salto não sou ninguém!”. Elza disse que já levanta da cama com um bom salto. “Não tenho rasteirinha, sandália, nada sem salto. O salto te enobrece, te faz crescer, ficar imensa”, revela.

E futebol? “Não tinha tanta intimidade com o esporte, e sim, com o jogador, que foi mais difícil”, lembrando o casamento de quinze anos com o jogador Garrincha. “Sou fanática pelo futebol dele. E eu vejo o Neymar hoje fazendo quase, quase [igual]. Não está igual ainda. Mané era um cara mais raçudo. Drible dele era arte!”.

Sobre relacionamentos, Elza comentou que tem que ter idade boa para namorá-la, mas, além disso, precisa ter cabeça. E quando questionada sobre a nova geração do esporte, Elza explicou: “Não sei quem está louco hoje no futebol para eu me relacionar. Teria que ser louco!”. Ainda ressaltou: “O Mané tinha pegada na bola, tinha pegada em tudo, cara. Ele era o cara!”.

A convidada também deu sua opinião sobre o papel da mulher, atualmente, no trabalho. “Acho que as mulheres estão aí provando que nós podemos. Não quero ser igual ao homem, mas quero ser muito mulher! Não sou submissa, mas gosto de dividir o peso com quem está indo à luta comigo, não pode ser minha sozinha. Minha voz me dá o direito de ser independente”.

Para descobrir o que o público pensa de Elza, Sarah foi a um consultório de fonoaudiologia, a um jogo de futebol e a uma loja de sapatos. Durante sua participação, a artista relembrou sua estreia como cantora no programa de Ary Barroso, na rádio Tupi, e cantou trechos de “Carne” e “Se acaso você chegasse”.