Há mais de 40 anos, com a chegada do Homem à Lua, em julho de 1969, o Universo se tornou um pouco mais acessível para a humanidade, fazendo com que astrônomos e especialistas do mundo inteiro intensificassem as pesquisas sobre o espaço sideral. Assim, embora os antigos de civilizações, como a egípcia e a babilônica, já realizassem seus estudos sobre fenômenos astronômicos, foi nas últimas duas décadas que o homem realmente descobriu aspectos importantes sobre a composição e o funcionamento de planetas, estrelas e outros corpos celestes. A popular e premiada série O Universo analisa com novos olhos um Universo muito antigo, tentando entender os segredos do passado em busca de elementos que possam antever o futuro da Humanidade.


Divulgação / The History Channel

No episódio Os Fenômenos Mais Estranhos, que o HISTORY leva ao ar no dia 13 de abril, sábado, às 20h, mostra que, apesar tenha passado mais de cinquenta anos desde que o homem foi ao espaço pela primeira vez, só recentemente, com a última tecnologia em telescópios espaciais e robôs que são lançados a velocidades ultrassônicas, é que os segredos do universo começaram a ser revelados. No episódio seguinte, às 21h, Nêmesis: Gêmea Maligna do Sol, discorre sobre uma estrela monstruosa, ainda não descoberta, que acredita-se orbite o Sol. Novos estudos científicos apresentados indicam que o sistema solar seria, na realidade, um sistema binário de estrela, mas tem sido extremamente difícil encontrar Nêmesis, a suposta irmã gêmea ‘malvada’ do Sol.