sesctv O que une grandes projetos de arquitetura do Brasil? Obras distantes, espalhadas por todas as regiões do País, se encontram em uma característica: a oferta à sociedade de espaços originários do talento humano. Amanhã, sábado, 27 de abril, às 21h, o SescTV estreia da série Arquiteturas, com 13 episódios semanais sobre alguns dos mais importantes locais de convivência já definidos pela mão humana brasileira, debatendo a relação entre arquitetura, espaço público e cidadania no País. O programa inicial irá desvendar o Instituto Inhotim, em Brumadinho, Minas Gerais.

Dirigidos pelo jornalista Paulo Markun e pelo cineasta Sérgio Roizenblit, os programas mostram em detalhes obras arquitetônicas que têm como função o convívio de pessoas, o uso coletivo. Com depoimentos e aprofundamento nas técnicas de renomados arquitetos nacionais – Paulo Mendes da Rocha, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e João Batista Vilanova Artigas, por exemplo -, a série abordará detalhes de construções em Minas Gerais, São Paulo, Pará, Disatrito Federal, Goiás e Rio de Janeiro.

Cada um dos 13 episódios discorrerá sobre um projeto, com duração de 52 minutos. Além do Instituto Inhotim, em Brumadinho, Minas, terão episódios o Mercado Ver-O-Peso (Belém, PA), a Biblioteca Mario de Andrade (São Paulo), a Igreja São Francisco de Assis (Ouro Preto, MG), a Fábrica da Natura (São Paulo), as Superquadras (Brasília, DF), o Copromo (Osasco, SP), os teatros municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, o estádio Serra Dourada (Goiânia, GO), o Palácio Gustavo Capanema (Rio de Janeiro), o Museu de Arte Moderna – MAM – do Rio de Janeiro e o Sesc Pompeia (São Paulo).

A série Arquiteturas viaja por um território muitas vezes ignorado pela televisão: a mistura de arte e técnica que singulariza determinadas edificações, transformando-as em marcas do talento humano e espaços de convivência. Os programas percorrem vários usos – teatro, mercado, escola, moradia, estádio, museu, biblioteca, igreja… todos unidos pela arquitetura, de ontem e de hoje, sempre talentosa”, afirma Paulo Markun.

Segundo seus autores e o SescTV, a série coloca em discussão na sociedade brasileira a importância de projetos arquitetônicos de uso público nas cidades. “A arquitetura é, assim como as outras artes, reveladora da história e da cultura de um povo. Com a série, o Sesc propõe um debate sobre a apropriação dos espaços e sobre a arquitetura como elemento de identificação de uma sociedade, em sua expressão do simbólico”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo.

A escolha dos projetos teve como critérios o uso coletivo, o longo período entre as construções (Ver-O-Peso é do século XVII, enquanto a Fábrica da Natura é do século XXI) – para que se identificassem diferenças e similaridades em um longo prazo – e a posição geográfica. “Queríamos espaços em regiões distintas do Brasil. Até as décadas de 1960 e 1970 a arquitetura brasileira era focada em prédios públicos. Na década de 1980 os projetos passaram a ser privados, com raras exceções, focando em residências, por exemplo. Queremos mostrar a importância da volta da arquitetura para a esfera pública. A boa arquitetura melhora a vida das pessoas”, relata o jornalista Markun.

Para Sérgio Roizenblit, a série mostrou-se “uma oportunidade de percorrer o território brasileiro, objeto da minha pesquisa e paixão há mais de 20 anos, para filmar as principais obras arquitetônicas que marcaram a paisagem brasileira e mudaram sua cara de forma definitiva. Foi, sem dúvida, mais que um simples projeto, um grande prazer”.

Além do horário especial aos sábados, 21h, os programas serão reexibidos pelo SescTV durante a semana: domingo, às 12h e às 20h; segunda-feira, às 10h e às 22h; terça, às 14h; quarta, às 15h; e quinta, às 8h.