Luiz Melodia e banda encerram as comemorações de 25 anos do Metrópolis, que irá ao ar no domingo (7) , às 20h30, na TV Cultura. O músico apresentará canções de seu novo CD, Estação Melodia, que traz sambas das décadas 30, 40 e 50. Ainda nesta edição serão exibidos os melhores momentos da entrevista de Maria Bethânia e Gal Costa.

O Metropolis é o único programa diário da televisão brasileira totalmente dedicado às artes e espetáculos, dirigido por Hélio Goldsztejn, ao longo deste tempo levou ao ar mais de 6 mil entrevistas de personalidades do mundo das artes.
Maria Bethânia, Gal Costa, Gilberto Gil, Jorge Mautner, Criolo, Mauricio de Sousa e Ziraldo participaram da semana comemorativa do programa Metropolis, que estreou 04 de abril de 1988.


Luiz Melodia no 25 anos do Programa Metropolis / Crédito da Foto: Jair Magri
Divulgação TV Cultura

Depoimentos de personalidades que já passaram pelo programa somam-se às homenagens do Metrópolis. São eles: Tony Beloto, Elza Soares, Gaby Amarantos, César Camargo Mariano, João Bosco, Djavan, Barão Vermelho, Ricardo Ohtake, Tom Zé, Zé
Apresentado por Cunha Jr., Adriana Couto, Marina Person e com a presença do comentarista de literatura Manuel da Costa Pinto, o Metrópolis é exibido de segunda a sexta-feira, nos seguintes horários: segundas e terças, às 23h30; quarta, quinta e sexta, à 0h; domingo, às 20h30.

A história

O Metrópolis foi ao ar, pela primeira vez, no dia 4 de abril de 1988, sob o comando de Ricardo Soares e Maria Amélia Rocha Lopes..

O programa da TV Cultura é o único da TV aberta a cobrir diariamente assuntos relacionados à arte e cultura em geral. Entre os assuntos tratados estão música, teatro, artes plásticas, cinema, literatura etc.

O objetivo da atração é revelar a diversidade dessa produção e reunir elementos da cultura erudita, popular, urbana, e de todas as formas de manifestação artística. Nesses 25 anos, o Metrópolis ajudou a iluminar a cena cultural e colaborou para a formação das novas gerações de artistas e consumidores de cultura do país.
Em 2006, numa parceria com três universidades brasileiras – USP, Mackenzie e Universidade Federal da Paraíba – o Metrópolis foi ao ar, ao vivo, pela TV Cultura, transmitido experimentalmente em TV Digital.

A transmissão teve duas camadas específicas. Uma camada HD (Alta Definição) para recepção fixa e exclusiva em monitores instalados nos estúdios da emissora na Água Branca. Na outra camada, simultaneamente, o sinal do programa Metrópolis foi transmitido para aparelhos de telefonia celular, habilitados para receber o sinal digital. Esta foi a primeira vez na história da TV aberta no Brasil que a transmissão normal de um programa de TV foi feita, ao mesmo tempo, nas modalidades analógica e digital.

Os apresentadores do Metrópolis nos últimos 25 anos

Entre apresentadores que fizeram parte da história do Metrópolis estão: Ricardo Soares, Maria Amélia Rocha Lopez, Cadão Volpato, Lorena Calabria. Laura Wie, Lala Deheinzelin, Cuca Lazarotto, Domingas Person, Paulo Vinícius, Marina Person, Adriana Couto e Cunha Jr.

CUNHA JR.

Falar no Metrópolis e no Cunha Jr. é quase sinônimo. Dos 25 anos que o programa está no ar na TV Cultura, Cunha está envolvido na atração há quase 23, sendo que há 14 anos faz a apresentação. "Já fui produtor, editor, repórter, já fiz de tudo um pouco", lembra Cunha Jr. O Metrópolis foi e é, até hoje, uma escola para mim, a realização de um sonho", completa.

Antes de descobrir a vocação pelo jornalismo, Cunha se formou em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e se especializou em psiquiatria. Exerceu a profissão por dois anos e, paralelamente, cursou a faculdade de jornalismo, concluída em 1988.

O primeiro trabalho profissional na televisão aconteceu quando foi chamado pela TVE-RS para apresentar o programa "Pra Começo de Conversa", destinado ao público jovem. Como sempre assistia o Metrópolis, resolveu mandar uma fita para a produção e, em 1991, desembarcou em São Paulo, direto para a TV Cultura, de onde não saiu mais.

COLEÇÃO METRÓPOLIS

O programa Metrópolis conta com um acervo de mais de cem obras de artistas contemporâneos. Elas foram doadas à Fundação Padre Anchieta ao longo dos últimos 25 anos.

Muitas instalações, esculturas e quadros foram concebidos especialmente para o cenário da atração. Frequentemente, a Coleção Metrópolis é exibida em museus e centros culturais de todo o país.

O Metrópolis divulga assim, de uma maneira original, as obras de artistas plásticos do Brasil.