cultura O deputado federal Jean Wyllys destaca a dificuldade de romper rótulos impostos pela Câmara dos Deputados, durante entrevista ao Provocações, que vai ao ar nesta terça-feira, dia 25 de junho, às 23h, na TV Cultura. “Aqueles homens, da Câmara dos Deputados, sempre tacharam de subalternos os homossexuais, as mulheres e os negros”, diz o parlamentar e ex-BBB para Antônio Abujamra.

[creditos:d779c1653d]
Divulgação TV Cultura [/creditos:d779c1653d]

Durante a entrevista, Jean Wyllys afirma que não procede a imagem estereotipada, que não se trabalha no Congresso Nacional e na Câmara dos Deputados. “As pessoas lá trabalham. Elas podem estar dedicadas ao enriquecimento pessoal, a sustentar seus privilégios, a defender seus interesses paroquiais, mas elas trabalham, isso é fato”, explica.

Jean conta que os homossexuais são o grupo mais odiado e difamado da história mundial. “Até mais que os judeus, porque a homossexualidade é um objeto de ódio não só religioso. Há os ateus, que também não aprovam e não querem filhos homossexuais”, diz.

Ainda sobre a questão da sexualidade, Jean relata que os componentes do Congresso sempre classificaram de subalternos os homossexuais, as mulheres e os negros. “Para aqueles homens da Câmara dos Deputados, é muito difícil ver uma pessoa sair de um lugar subalterno para ganhar voz, se tornar sujeito e não objeto de discurso, e é isso que incomoda mais”, afirma.

Se a gente quer construir um mundo comum, temos que dar espaço para todos os pontos de vista e o Congresso Nacional nunca se habituou a fazer isso. Aquele sempre foi um lugar de homens brancos, quase sempre”, finaliza.