history O documentário "101 Objetos que Mudaram o Mundo", que o History Channel estreia do dia 13 de julho, às 22h, mergulha na história de coisas que, se não tivessem sido usadas por determinada personalidade ou para um propósito nobre ou outras muitas variáveis, não passariam disso – coisas! Ou seja, um pedacinho de rocha é apenas isso até que seja revelado que é da Lua. É quando se revela mais do que é objetivamente e se torna uma conquista para a humanidade. Uma guitarra é somente um instrumento, mas se nos dizem que pertencia a Jimi Hendrix, então ela não é mais uma simples caixa de madeira com cordas e ganha o significado de toda uma geração. Alguns objetos são únicos – como a máscara mortuária do Rei Tutankamon – e outros são universais – como uma aliança de casamento –, mas todos afetam de forma muito pessoal a todos. São símbolos, e sem eles o mundo não seria o mesmo.


A bíblia é um dos objetos que mudaram o mundo segundo o especial
Divulgação/History

É sobre esses e muitos outros objetos que são ranqueados pelo especial, até chegar ao Top 1 de todos os tempos no mundo ocidental – a Bíblia. Sem ela não haveria crucifixos, árvores de Natal. Sem ela, Davi de Michelangelo seria só um pedaço de pedra e o Santo Sudário não passaria de um pano. É graças a ela que esses e outros objetos ganham importância histórica, o que demonstra que sua grandeza é tão patente que influencia demais invenções. Sua influência é tão clara que se contam seis bilhões de reproduções no mundo, presentes em templos e nas casas de judeus, evangélicos e católicos. A Bíblia poderia ser o objeto mais comum e palpável da história, não fosse o mais relevante de todos.

Na semana seguinte, dia 20 de julho, sábado, às 22h, o episódio "101 Fast-foods que Mudaram o Mundo" traça um histórico dos diferentes tipos de comida rápida que ganharam as grandes e pequenas cidades de todo o planeta, numa época em que tempo é dinheiro e o os minutos dedicados a uma boa refeição são cada vez mais escassos. Além das inevitáveis batatinhas fritas e o hambúrguer nosso de cada dia, o documentário inédito vai das cavernas à era espacial e analisa como ao longo do tempo o homem necessitou adaptar à comida a seu estilo de vida. O programa propõe um passeio aos tempos em que não se cogitava a geladeira e o único modo de consumir a carne era na hora do abate ou conservada em sal, o famoso charque, e explora a tecnologia das comidas “espaciais” que alimentam as tripulações de astronautas.

Para finalizar a maratona, no dia 27 de julho, às 22h, em "101 Inovações que Mudaram o Mundo", estão em pauta as ideias que começaram com uma fagulha, mas cresceram e facilitaram a vida da humanidade em diversas épocas, como a invenção da vela para driblar a escuridão da noite e o advento do telefone para se comunicar a distância. A disseminação da invenção de Graham Bell, aliás, possibilitou o que se conhece como namoro moderno, nos anos 20. Mocinhas não precisavam mais da presença de um parente na sala para namorar, elas podiam ficar no conforto de seus quartos e falar com os rapazes apaixonados a qualquer hora. Entre outras ideias bem-sucedidas e valiosíssimas: a máquina a vapor, o telescópio e a internet. O programa inédito mostra ainda como algumas inovações nasceram do simples uso, como o martelo, enquanto outras desafiaram os limites do que se acreditava ser possível, como o avião.