cnn O canal de televisão por assinatura CNN International exibe neste domingo, dia 13 de outubro, a partir das 19h (ou 18h no fuso horário de Manaus) um especial inédito e exclusivo comandado pela correspondente-chefe Christiane Amanpour sobre Malala Yousafzai, a adolescente de 16 anos que foi baleada pelo Talibã porque queria ir à escola.

[creditos:6bdc9c4b5c]
Divulgação [/creditos:6bdc9c4b5c]

"A menina mais corajosa do mundo" vai revelar uma Malala que você nunca viu antes, num material exclusivo para o canal. Malala conta sua história – da campanha em prol da educação feminina, do dia em que levou o tiro, da luta para se recuperar da lesão do incidente – mas, acima de tudo, de seus sonhos e seu objetivo de ajudar milhões de outras meninas a ir à escola.

O programa inclui uma entrevista com Malala, seu pai, Ziauddin Yousafzai, e uma apresentação especial de Samantha Power, a Embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas. A entrevista ocorrerá perante a uma plateia na 92nd Street, em Nova Iorque, no próximo dia 10 de outubro.

Aos 15 anos, Malala levou um tiro à queima roupa dentro de um ônibus, porque ela insistiu que queria ir para a escola. Milagrosamente, as balas miradas em sua cabeça não penetraram o cérebro. E após várias cirurgias, ela está novamente travando sua campanha pela educação das garotas. Em 12 de julho – seu aniversário de 16 anos – ela fez um forte apelo ao mundo para lutar pelas meninas, em seu primeiro discurso após ter sido baleada.

"Os terroristas pensaram que iam mudar meus objetivos e parar minhas ambições", ela contou para a ONU, "mas nada mudou na minha vida, exceto que fraqueza, medo e falta de esperança morreram".

Sua biografia "Eu sou Malala" será publicada no dia 8 de outubro. No livro, Malala divide a memorável história de uma família destruída pelo terrorismo global, da luta pela educação feminina, de um pai que defendia e encorajava sua filha a escrever e frequentar a escola, e da coragem de seus pais, que amaram bravamente sua filha – numa sociedade onde os filhos homens são preferidos. Ela criou também a "Fundação Malala" (www.malalafund.org), que ajuda garotas ao redor do mundo a ter acesso à educação que elas desesperadamente precisam.