Três novos especiais chegam ao History em janeiro: Corporação Nazi, Como Construir um Planeta e Reconstruindo o World Trade Center.

Corporação Nazi (16/1, às 22h00):

Quando pensamos nos nazistas mais perversos, o primeiro que vem à mente é Adolf Hitler. Mas Hitler não poderia ter feito tudo aquilo sozinho. As atrocidades do partido nazista necessitaram de uma vasta rede do mal, que vai desde a elite intelectual que legitimou as ideias de Hitler para o público até os que acataram as suas ordens com implacável eficiência e os criminosos de baixo nível que executaram essas mesmas ordens cara a cara e com frieza de detalhes contra suas vítimas. Mas quem eram essas pessoas? O que eles fizeram? Como se tornaram assim? Quais deles são considerados para alguns tão maus – ou talvez ainda mais diabólicos – do que o próprio Hitler?

Como Construir um Planeta (31/1, às 20h00):

É o supremo projeto de engenharia – mas como você constrói um planeta, um sistema solar e uma galáxia do nada… O que acontecerá se alguma parte sair errada? Esta empolgante série se baseia em entrevistas filmadas especialmente com os mais importantes cientistas do mundo.

Reconstruindo o World Trade Center (31/1, às 22h00):

O documentário inspirador de Marcus Robinson apresenta a reconstrução do World Trade Center e a restauração da linha do horizonte de Nova York. O especial, que levou oito anos para ser concluído, se concentra nos trabalhadores da obra e na execução desta sua tarefa extremamente difícil. Homens e mulheres realizaram um trabalho pesado depois que o sonho da reconstrução foi posto em prática no local de 16 acres que foi testemunha do pior ataque terrorista em solo americano. Robinson, um artista e cineasta irlandês, reconhecido por suas fotografias arquitetônicas e industriais, chegou ao local em 2006, cinco anos após a destruição das Torres Gêmeas pelos ataques do dia 11 de setembro. Posicionou 13 câmeras por todo o local para documentar os oito anos de progresso, obtendo imagens sensacionais captadas por meio do processo “time lapse”, e acompanhou os trabalhadores, passo a passo, enquanto transformavam uma pilha de cinzas em um testemunho magnífico de imaginação e resiliência.