O israelense Amos Genish assumiu a presidência da operadora de multisserviços Vivo em março deste e tem pela frente um grande desafio. Genish foi o criador a GVT no país e agora terá a missão de dar um fim à empresa após a aprovação da fusão com a Telefônica Vivo.

Em entrevista ao site Exame Online, Genish ao ser questionado se há um choque de culturas entre a GVT e a Vivo respondeu que "Houve até uma discussão sobre marcas nesse novo plano — algumas pessoas queriam contratar consultorias para avaliar se valia a pena manter algo da GVT. Eu falei que não precisa, não existe mais GVT, vamos usar só Vivo.".

O presidente da nova empresa relatou ainda que o plano inicial de manter as duas marcas funcionando por 3 anos poderia gerar mais dúvidas e a falsa sensação de que seriam empresas diferentes.