Na próxima terça-feira, dia 6 de março, às 22h30, a Band estreia a quinta temporada da versão brasileira do MasterChef. Sucesso de crítica e público, o talent show de maior repercussão nas redes sociais no Brasil volta para uma competição ainda mais difícil. O programa também será exibido às sextas-feiras, às 19h20, no Discovery Home & Health a partir do dia 9 de março.

O MasterChef Brasil recebeu mais de 30 mil inscrições, mas apenas 38 candidatos que passaram pelos testes presenciais – entre eles um padre e um policial militar – foram convocados para duelos diretos, novidade que vai marcar a primeira etapa do programa nesta temporada. “Dessa vez os concorrentes são muito guerreiros e emblemáticos, com personalidades marcantes. Vai ser muito divertido desde o primeiro episódio, com embates eletrizantes”, adianta a apresentadora Ana Paula Padrão.

Agrupados por afinidades gastronômicas, os candidatos serão emparelhados pelos jurados para embates específicos: o desafio da massa fresca, do bolo de chocolate, da cozinha oriental, da cozinha regional, entre outros temas. “O espírito de competição começa mais cedo nesta temporada. Os participantes valorizam ainda mais a conquista do avental, que não será fácil”, diz o chef Erick Jacquin.

As últimas vagas serão disputadas em uma repescagem que vai reunir os melhores cozinheiros entre os eliminados anteriormente nos duelos. Os 21 cozinheiros amadores que entrarão na cozinha mais famosa do Brasil serão conhecidos ao final do segundo episódio. “Por conta da pressão, demora um pouco para os participantes começarem a se sentir suficientemente confortáveis na cozinha do MasterChef”, analisa a chef Paola Carosella.

Os competidores vão enfrentar provas ainda mais complicadas ao longo dos 22 episódios. Nesta temporada eles terão de encarar o maior desafio já proposto na história do MasterChef Brasil: servir 300 pessoas no Centro de Tradições Nordestinas, em São Paulo, com a participação do chef convidado Rodrigo Oliveira. “As provas são muito diferentes e ainda mais desafiadoras. Organização, liderança e senso de trabalho em equipe são essenciais”, conta o chef Henrique Fogaça.

Outra novidade é que mais de um participante poderá ser eliminado em cada programa. “Não há mais um número pré-definido de eliminados, podemos ter dois ou até três eliminados no mesmo episódio”, revela o diretor Patricio Díaz. “A competição está mais acirrada do que nunca. Os cozinheiros terão de pensar e agir de forma estratégica no jogo”, conclui.