O Grupo de Trabalho (GT) de Raça do Ministério Público do Trabalho (MPT) emitiu ontem, 6 de junho, mais duas notificações recomendatórias, uma dirigida à TV Record e outra ao SBT, motivadas pela falta de representação da população negra nas telenovelas exibidas pelas emissoras.

"O objetivo é valorizar a herança cultural e a participação dos negros na história do país e alterar estereótipos sobre o papel do negro na sociedade", explica a coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) do MPT, Valdirene Silva de Assis, que criou e também faz parte do GT de Raça.

O GT se reúne desde o final do ano passado e tem, como uma das principais atuações, o estabelecimento de um diálogo com os canais abertos de televisão, para que seja observada a diversidade racial em toda a sua programação.

Além da titular da Coordigualdade, o grupo é formado pelos procuradores do MPT Rafael Dias Marques, Elisiane Santos, Luciana Tostes, Ludmila Reis, e Honorato de Gouveia Neto, que é o primeiro procurador a ingressar no MPT por meio da reserva de vagas às pessoas negras.

Para Valdirene de Assis, "as emissoras exercem um importante papel na formação, na construção, na consolidação e na alteração desses estereótipos, por isso é muito relevante a participação ativa desses veículos na discussão sobre o racismo estrutural".

As notificações tiveram como base uma pesquisa publicada em um site de notícias que revela uma média de apenas 8% de atores negros nas novelas da Globo, da Record e do SBT. A primeira a ser notificada foi a Globo, no mês de maio, às vésperas da estreia de uma telenovela ambientada na Bahia e que, segundo denúncias, não contava com pessoas negras no elenco.

"Recebemos um número significativo de denúncias e, como já era uma de nossas ações previstas para este ano, e porque isso afronta o direito da população negra a ter sua devida representação, foi feita a recomendação", conta a procuradora.

Ela alerta, ainda, que não há, por parte do MPT, ingerência na obra. "Não há essa pretensão. A única recomendação é para que as empresas ofereçam oportunidades de emprego para atores, figurantes e técnicos negros, sendo vedada toda e qualquer discriminação", esclarece.

Outras notificações serão expedidas para as demais emissoras, dando continuidade ao trabalho do GT, que também prevê mais ações a serem desenvolvidas para maior inclusão de pessoas negras no mercado de trabalho.