Ter consigo um desenho que acha bonito para sempre, render uma homenagem, lembrar-se daquele momento ou fase da vida – os motivos para uma tatuagem são muitos e convergem para a permanência: o tempo passa e a tatuagem fica.

Mas, e quando bate o arrependimento? É aí que entram em cena profissionais como os de Deu Ruim na Tattoo, série que chega a sua segunda temporada no sábado, 28 de julho, às 23h, e segue a rotina de um estúdio especializado em reparar e cobrir algumas das piores tatuagens já vistas.

A maioria dos clientes que chega ao trio formado por Jay Hutton, Alice Perrin e ‘Sketch’ tem algo em comum; fizeram uma tatuagem sem pensar ou escolheram o tatuador no impulso e chegaram ao mesmo efeito: carregam, arrependidos, um desenho horrendo e permanente em seus corpos. São tatuagens mal executadas, fora de proporção, inacabadas, com traços tremidos ou que materializam decisões completamente equivocadas.

Em cada episódio de uma hora, o trio de tatuadores recebe diversos clientes que contam por que estão ali: as razões oscilam entre o constrangimento e a pura comédia espontânea; há os que chegam ao estúdio chateados, tristes e os que dão risada de si mesmos. Primeiro, os clientes contam suas histórias – algumas comoventes, outras simplesmente hilárias – e ajudam o artista a definir qual desenho será feito para o conserto.