Parece pouco, mas dez segundos podem ser intermináveis para um lutador de boxe. Este é o tempo que o atleta tem para se levantar após a queda. Se não conseguir, a luta está encerrada e sua derrota por nocaute, decretada. O brasileiro Éder Jofre, bicampeão mundial, nunca ouviu essa contagem. Disputou 81 lutas, com 75 vitórias, quatro empates e apenas duas derrotas, ambas por pontos. A partir de terça (08), a Globo conta essa história nos quatro episódios da série ‘10 Segundos Para Vencer’.

Dividido entre as carreiras de desenhista e lutador, Éder Jofre (Daniel de Oliveira) acaba seguindo a tradição da família ao escolher o boxe. Mas ele não se fez sozinho. Chegou ao ápice seguindo a obstinação e a disciplina do seu pai e treinador, Kid Jofre (Osmar Prado): foi o primeiro pugilista brasileiro a lutar nos Estados Unidos e o primeiro a conquistar o título de campeão mundial. Mas também precisou aprender a lidar com as angústias e os conflitos com a namorada e, depois, esposa Cida (Keli Freitas), que sofria ao vê-lo machucado após as lutas.

A preparação de Éder para a primeira luta nos Estados Unidos, contra Joe Medel, e os conflitos que a antecedem, entre Kid Jofre e Parnassus (Victor Laplace), o promotor da luta, também ganham mais espaço na TV. Outro diferencial da minissérie é um documentário com cenas e entrevistas inéditas, incluindo um depoimento do japonês Masahiro Harada, de 82 anos, único adversário a derrotar Éder Jofre. Marcel Jofre revela que, apesar de ser um campeão consagrado, o pai também se preparou para perder. Já o comentarista de boxe Newton Campos conta que Mike Tyson admirava e estudava os movimentos do brasileiro.

Dirigida por José Alvarenga Jr e escrita por Thomas Stavros, Patrícia Andrade, José Alvarenga Jr e Marcio Alemão, a série é um desdobramento do filme homônimo, uma coprodução da Globo Filmes com a Tambelini Filmes. A minissérie ’10 Segundos para Vencer’ será exibida na Globo entre os dias 8 e 14 de janeiro, às 23h.