Olá, internautas

Nesta terça-feira (09/07), publicaria, por ironia do destino, um artigo neste espaço sobre o afastamento de Paulo Henrique Amorim do comando do “Domingo Espetacular”.  Em virtude de compromissos, não consegui atualizar a página.

Eis que nesta quarta-feira (10/07), logo no meu despertar, fui informado sobre a morte do jornalista decorrente de um infarto. Paulo Henrique Amorim sempre será lembrado por ser um dos ícones do jornalismo brasileiro.

Na Record TV, PHA viveu seu auge no original “Tudo a Ver”. Nesta revista eletrônica, o apresentador trouxe toda a sua elegância e competência para as tardes da emissora. Esse programa, como sempre ressaltamos, faz uma enorme falta na programação.

Ana Hickmann, que despontou ali, surgiu hoje de luto na apresentação do “Hoje em Dia”. Ela chamou a atenção do telespectador e ganhou espaço na Record exatamente no “Tudo a Ver”.

Paulo Henrique Amorim comandou o “Domingo Espetacular” por treze anos. O jornalista se transformou em um símbolo do dominical. Por isso mesmo, causou espanto, no público, o seu afastamento da apresentação. O sucessor Eduardo Ribeiro não possui o mesmo estofo de PHA. Especulações divulgadas pela mídia afirmam que a postura veemente do antigo apresentador contra o presidente Jair Bolsonaro seria uma das razões para a sua saída.

E exatamente neste momento, Paulo Henrique Amorim sai de cena. Fenômeno semelhante a Rubens Ewald Filho que morreu após ter sido afastado da transmissão do Oscar neste ano na TNT.

PHA apresentava um estilo próprio. Personalidade forte. Porém, em nenhum momento, sobressaía sobre a notícia. Meus sinceros pêsames a amigos, familiares e fãs de Paulo Henrique Amorim. Neste ano, a imprensa perde três importantes nomes: Ricardo Boechat, Rubens Ewald Filho e agora Paulo Henrique Amorim.

Fabio Maksymczuk