Olá, internautas

Nesta quinta-feira (25/07), chegou ao fim a quarta temporada do “Power Couple Brasil”. Neste ano, diferente das edições anteriores, o reality não contou com a prova final que decide os dois finalistas para a votação popular.

Neste último episódio, a atração exibiu uma atividade que deu um carro zero quilômetro para o casal vitorioso Clara e André Coelho. Nicole e Bimbi, que ficaram em último e seriam eliminados da final com as regras dos anos anteriores, devem agradecer a mudança.

Mesmo assim, Nicole e Marcelo eram, de fato, o casal mais conhecido, principalmente do público da Record pelas participações em “A Fazenda”. Logo na escalação do elenco, despontaram como franco favoritos diante dos outros nomes apresentados.

Alguns desconhecidos do grande público aproveitaram a oportunidade, como Ju e Manga. Exibiram uma imagem de entrosamento e cumplicidade. Muito Zica do Pântano! Já Taty e Braga funcionaram apenas como “escada” de Nicole e Bimbi. Passaram sem deixar marca alguma no reality.

André Coelho sai queimado da atração diante do desrespeito com o apresentador Gugu Liberato que há décadas entra nos lares brasileiros. Quis ser o “engraçado da turma” com uma chacota que viralizou nas redes sociais e se deu mal.

Nesta quarta edição, o momento mais constrangedor ficou por conta do casal Eliéser e Kamilla. O paranaense, em um tom infantil, desrespeitou Alexandre Folhas e Paula Pequeno, esportistas que representaram o Brasil em competições internacionais. Agressividade gratuita em uma prova de confronto direto entre os maridos. Já é a terceira vez que Eliéser participa de realities e passa a impressão de ter aprendido nada. Kamilla transmitiu uma imagem de afobada e pouco parceira com o marido nas gincanas.  O mesmo vale para Drika que esgoelava com André Marinho. Falta de companheirismo.

O mesmo não ocorreu com Mariana e Daniel Saullo. Os dois passaram uma imagem de amor, ternura e cumplicidade no vídeo. Além disso, foi o casal que melhor sobressaiu nas provas. Porém, o formato do reality apareceu como um “Frankenstein” nesta quarta edição. A “casa” voltou a ter algum peso, mas não suficiente.

Diante da mudança drástica no ano passado, o voto popular camufla, de fato, o cerne do programa. O casal pode sobressair em todas as provas e superar a casa do milhão de reais. Porém, o que vale mesmo é a imagem pessoal construída no vídeo e a organização semanal no mutirão de votos.

Nicole e Bimbi adotaram a mesmíssima estratégia de Munik e Anderson. Apostaram na imagem de “isolados” pelo grupo. A goiana quase conseguiu atingir o objetivo no ano passado. Nicole e Bimbi não precisavam ter aplicado tal estratagema. Eles já eram fortes junto ao público. Era o casal mais midiático e forte com o telespectador.

“Power Couple Brasil” precisa resgatar as suas raízes. Aplicar o formato original. Repensar a exibição diária. Prova final. Desde a madrugada, as redes sociais se transformaram em um verdadeiro “muro de lamentações” com a vitória do casal “Nicelo”. Pipocam de todos os lados teorias da conspiração. Desnecessário.

Fabio Maksymczuk