Um dos mais nobres sentimentos humanos, o amor pode estranhamente ser deturpado a ponto de servir de justificativa para crimes brutais. Nesta segunda-feira (14), o Investigação Discovery exibe duas estreias que se baseiam em casos reais de crimes que foram desfecho trágico para relacionamentos românticos.

A série inédita “Amor, Mortal Amor” (Til Death Do Us Part) vai ao ar às 20h30, seguida de “Morrendo de Amor” (Forbidden: Dying for Love), que chega à quarta temporada às 21h20. Ambas revisitam as informações de inquéritos e dos processos criminais que neles tiveram origens. Para reconstituir as investigações, a série recorre a materiais de arquivos e a depoimentos exclusivos com familiares e pessoas próximas das vítimas, além de oficiais que trabalharam nas apurações.

As séries se aprofundam nesses dramas da vida real a partir dos registros das investigações, mostrando como o idílio foi interrompido por ódio, traição, inveja e morte. “Amor, Mortal Amor” tem como foco casos nos quais um dos membros de um casal se revela um assassino – seja em crimes passionais, quando as emoções descontroladas se transformam em violência contra o outro, ou em casamentos convertidos em armadilhas mortais cuidadosamente planejadas por um dos cônjuges

“Morrendo de Amor” conta histórias de relacionamentos proibidos que foram como uma condenação dos amantes à morte, como se fossem versões contemporâneas da história shakespeariana de Romeu e Julieta. O episódio que inaugura a quarta temporada relembra o caso de Erin Everett, uma tímida auxiliar de enfermagem que representava um exemplo dos valores cristãos apreciados pela comunidade da pequena cidade de Jerome, Pensilvânia. Erin é motivo de orgulho para seus familiares, mas vive secretamente um dilema entre os preceitos religiosos e a atração por Tory Minnick, uma jovem de 21 anos de idade.

“Amor, Mortal Amor” seguida da 4ª temporada de “Morrendo de Amor” estreiam dia 14 de outubro, às 20h30 e 21h20 no Investigação Discovery.