A série “O Auto da Compadecida” estreou em 1999 na Globo, com ares de clássico da teledramaturgia. Duas décadas depois, a intimidade do público com a obra, que também virou filme, a consagra como tal.

Para celebrar as aventuras dos inesquecíveis Chicó (Selton Mello) e João Grilo (Matheus Nachtergaele), a série dirigida por Guel Arraes, escrita por Guel Arraes, Adriana Falcão e João Falcão, a partir da peça teatral homônima de Ariano Suassuna, passa a ser exibida pelo Globoplay e volta às telas da Globo pela primeira vez em janeiro, remasterizada, com nova abertura e com a identidade visual do céu e inferno repaginadas por computação gráfica. Os quatro episódios serão exibidos de terça-feira a sexta-feira, após ‘Amor de Mãe’.

“O Auto da Compadecida” conta a história de João Grilo, um nordestino que dribla com sagacidade as dificuldades para garantir o pão de cada dia. É ele quem atravessa os quatro episódios provocando muitas confusões e enganando ricos e poderosos, ao lado de Chicó, seu companheiro de estrada.

A dupla, com sua esperteza, confronta personagens como o padeiro sovina (Diogo Vilela), sua mulher infiel (Denise Fraga), o submisso padre João (Rogério Cardoso), o autoritário bispo (Lima Duarte), o cangaceiro Severino (Marco Nanini) e seu capanga (Enrique Diaz). Também fazem parte da trama o major Antonio Morais (Paulo Goulart) e sua filha Rosinha (Virgínia Cavendish), o cabo Setenta (Aramis Trindade) e o valentão Vicentão (Bruno Garcia), além de encarnações do diabo (Luís Melo), Jesus Cristo (Maurício Gonçalves) e Nossa Senhora, a Compadecida (Fernanda Montenegro).

“O Auto da Compadecida” já está disponível no Globoplay e estreia na Globo no dia 07 de janeiro, após ‘Amor de Mãe’.