Carnaval acabou, a vida volta ao normal e é hora para um descanso. Uma boa opção é curtir um cineminha sozinho ou acompanhado, você escolhe.

Nesta quinta-feira, dia 27 de fevereiro, as principais salas de cinema recebem novidades. Em destaque está o longa “O homem invisível“. Presa em um relacionamento violento e controlador com um rico e brilhante cientista, Cecilia Kass foge com a ajuda de sua irmã, de sua amiga de infância e de sua filha adolescente. Quando seu ex abusivo comete suicídio, e deixa para ela uma parte de sua vasta fortuna, Cecilia suspeita que a morte dele seja uma farsa. À medida que uma série de coincidências sinistras passam a acontecer, sua sanidade começa a se desfazer enquanto ela tenta provar que está sendo caçada por alguém que ninguém pode ver.

Também chega aos cinemas, o filme “Jovens Polacas“. Baseado no livro homônimo de Esther Largman. A história de mulheres judias iludidas pela possibilidade de uma nova vida, e traficadas do leste europeu para a prostituição no Rio de Janeiro no início do século XX. Ao ser entrevistada pelo jornalista Ricardo, Mira busca em sua memória detalhes de sua vida e rotina com sua mãe e faz as pazes com o obscuro passado.

Fãs de terror podem conferir “A hora da sua morte“. Quando uma enfermeira faz o download de um aplicativo, que afirma prever o momento em que uma pessoa morre, ela descobre que só tem três dias de vida. Com o relógio correndo e uma figura assombrando-a, ela deve encontrar uma maneira de salvar sua vida antes que o tempo acabe.

Outra novidade é o drama “Uma vida oculta“. Franz Jägerstätter (August Diehl) é um fazendeiro austríaco que, ao seu recusar a lutar junto ao exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial, é condenado à pena de morte por traição à pátria.

Você não estava aqui” é mais um drama a estrear na semana. Na esperança de que o trabalho independente possa resolver seus problemas financeiros, um motorista de entregas do Reino Unido e sua esposa, lutando para criar uma família, acabam presos no círculo vicioso dessa forma moderna de exploração do trabalho.

Quer mais drama? Então confira “Meu nome é Sara“. Sara é uma judia polonesa de 13 anos que encontra refúgio e é acolhida por um fazendeiro e sua esposa. Ela logo descobre os segredos sombrios do casamento de seus empregadores.

Fechando a semana estreia “Tarde para morrer jovem“. Com a volta da democracia ao Chile nos anos 1990, um grupo de famílias que vive em uma comunidade isolada aos pés dos Andes busca construir um novo mundo distante dos excessos urbanos, enquanto acompanha o amadurecimento das crianças e adolescentes num novo momento do país.