Olá, internautas

Na última segunda-feira (27/01), a TV Globo estreou “Salve-se Quem Puder”. A nova novela das sete, criada e escrita por Daniel Ortiz, com a colaboração de Flavia Bessone, Nilton Braga, Victor Atherino e Pedro Neschling, aposta na receita clássica da faixa.

A nova produção da emissora platinada, que conta com a direção artística de Fred Mayrink, com direção geral de Marcelo Travesso, e direção de Alexandre Klemperer, João Boltshauser, Hugo de Sousa e Bia Coelho, sai do drama de “Bom Sucesso” e volta para a comédia, filão típico do horário.

Kyra Romantini, interpretada por Vitória Strada, é uma mocinha totalmente atrapalhada. Carregada nas tintas propositalmente. Quase derrubou um avião ao disparar uma arma pela aeronave e não no bandido. Já Alexia Máximo (Deborah Secco) sonha em ser uma atriz de sucesso da TV Globo. Luna Furtado (Juliana Paiva) é a típica heroína apaixonada. O trio se esbarra em Cancún, no México. As três presenciam o assassinato de um juiz que combatia a corrupção no Brasil.

Para salvar as suas vidas, entram no programa de proteção à testemunha. Ganham novas identidades em terras tupiniquins e vão para uma cidade do interior paulista. É neste ponto que a novela terminou no sábado (01/02).

Nestes primeiros capítulos, o folhetim focou nas três protagonistas. Um acerto. O núcleo central é que, de fato, deveria chamar a atenção do telespectador. As histórias paralelas servem, teoricamente, para drenar as protagonistas. O roteiro de “Salve-Se Quem Puder” aposta em um trio de mulheres. O mesmo acontece com “Amor de Mãe” com Lurdes (Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e Vitória (Tais Araújo).

Na semana de estreia, José Condessa, que interpreta o mexicano Juan, sobressaiu. A TV Globo acertou ao apostar no ator português. Traz ar novo para o elenco da emissora.

“Salve-se Quem Puder”, até aqui, trouxe um texto leve. Descontraído. Sem grandes “pretensões filosóficas”. Elementos que também marcavam “Verão 90”.  É um momento para o telespectador relaxar em frente à tela. Diante dessa proposta, começou bem.

Fabio Maksymczuk