Feito com feijão, camarão e dendê, o acarajé chegou ao Brasil como um prato místico trazido pelos africanos e ofertado em ritual religioso ao orixá Iansã, rainha dos raios, ventos e tempestades. No entanto, há alguns anos, existe um conflito entre os que desejam desvincular a feitura do acarajé de rituais afro-brasileiros e os que zelam por essas tradições. Pelas mãos do primeiro grupo, o acarajé vem sofrendo uma série de adaptações e se distanciando de seu significado original. Essa realidade é mostrada no documentário “Àkàrà, no Fogo da Intolerância”, que estreia no Curta!.

O longa, dirigido por Claudia Chávez, traz histórias de baianas de acarajé e depoimentos de personalidades sobre a intolerância praticada contra as religiões de matriz africana. O filme é uma produção da Obá Cacauê, viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). 

“Àkàrà, no Fogo da Intolerância” estreia no dia 16 de junho, às 18h no Curta!.