Olá, internautas

A TV Cultura surpreendeu os telespectadores com uma mexida na programação. A emissora da Fundação Padre Anchieta acabou, na surdina, com o longevo “Cartão Verde” que estava no ar há 27 anos.

O programa esportivo alcançou expressiva repercussão com Flavio Prado, José Trajano e Juca Kfouri nas noites de domingo. Enfrentava outras atrações futebolísticas, principalmente o “Mesa Redonda” nos anos 90. Na TV aberta, aliás, a atração da TV Gazeta é um dos poucos do gênero que permanece com fôlego aos finais de semana. Trajano sempre defendia o seu “Ameriquinha”.

Com o empobrecimento que marca a atual geração de jogadores no Brasil, “Cartão Verde” também perdeu repercussão. Neste milênio, a atração saiu do domingo, dia acalorado por conta das partidas, e migrou para o dia de semana. Às segundas, terças, quartas ou quintas-feiras.

“Cartão Verde” sempre se caracterizou por fugir de embates emocionais. As discussões se alicerçavam em argumentos mais racionais. Nesta década, a atração originou o “Cartãozinho Verde”, instigante debate esportivo com crianças.

Valdir Lemos que comandou o “Cartão Verde” por 14 anos agora assume o “Revista do Esporte”, nova aposta da TV Cultura. Aliás, a mesmíssima equipe do extinto esportivo permanece na nova atração. O ex-jogador Roberto Rivellino e os jornalistas Celso Unzelte e Vitor Birner continuam ao lado de Lemos.

De acordo com a assessoria de imprensa da TV Cultura, a nova atração ampliará o leque de modalidades esportivas. Seria um retorno à proposta do programa “Vitória”, que saiu do ar justamente para a entrada do “Cartão Verde”. Na minha memória, recordo das imagens da prática de esportes ao ar livre, como ciclismo e corrida de motos. Não era um programa exclusivamente rodado em estúdio.

Porém, neste primeiro programa, “Revista do Esporte” seguiu os parâmetros do “Cartão Verde”. A conquista da Copa do Mundo de 1970 pela seleção brasileira de futebol masculino tomou conta da meia hora de exibição.

Com a extinção do “Cartão Verde”, não teria sido mais interessante estrear uma atração com uma equipe inteiramente nova com jornalistas da nova geração que buscam seu espaço na TV? Fica a pergunta.

Fabio Maksymczuk