Olá, internautas

No último sábado (31/10), o SBT exibiu a última edição do “Programa da Maisa”. A eterna “mini petit” comunicou sua decisão, há algumas semanas, de deixar a emissora de Silvio Santos.

Maisa ganhou a sua própria atração com boa perspectiva. Estreou até na liderança. Porém, perdeu fôlego durante os meses. Não sustentava os índices de audiência herdados da série norte-americana Thundermans que seria, teoricamente, o mesmo público da jovem.

A jovem ficou engessada no talk show. Oscar Filho conseguia uma melhor “liberdade” com suas boas tiradas. Maisa, quando criança, chamava a atenção do telespectador pela sua espontaneidade. Irreverência. E isso não se viu em seu programa televisivo.

Maisa, na realidade, buscará o seu público que se encontra na internet. Ela já conta com mais de 35,6 milhões de seguidores só no Instagram. O diálogo com o seu público, sem as amarras de direção, do formato da televisão e das orientações de Silvio Santos, flui melhor nas redes sociais.

Maisa simboliza o retrato das novas formas de comunicação midiática e o envelhecimento da TV brasileira.

Fabio Maksymczuk