No segundo programa da série especial “Crônicas do Presídio”, A Liga mostra a realidade de grávidas, recém-nascidos, doentes graves e deficientes físicos atrás das grades. Em um sistema carcerário como o brasileiro, com superlotação e condições precárias, a punição vai muito além da perda da liberdade. A Liga vai ao ar nesta terças-feira, dia 29, às 22h30, na tela da Band.

Na Penitenciária Maria Julia Maranhão, em João Pessoa (PA), Thaíde e Mariana acompanham o dia a dia desses presos. “Quando não mata, o crime só dá duas coisas: cadeia ou cadeira de rodas. Eu ganhei as duas coisas”, conta um detento cadeirante durante conversa com Thaíde.

As presas grávidas ganham enxoval, fraldas e mamadeiras através de doações e também de suas famílias. Uma delas, Joelma, precisa se dizer adeus à filha depois de cuidar dela por nove meses no presídio, três a mais do que o permitido pela lei. Mariana Weickert acompanha essa emocionante despedida. Sem a filha, Joelma perde o privilégio de cumprir sua pena na razoavelmente confortável cela maternidade e volta à condição de presa comum.