A rua é o palco, os transeuntes servem de plateia, a iluminação e a produção são naturais, ao ar livre, e para apreciar basta se aproximar. Este é o “show” organizado pelos artistas de rua de todo o mundo e o Canal BIS passa a apresentá-los e a conhecê-los um pouco mais em Sons Urbanos, série que estreia no próximo dia 10 de novembro, às 19h, no canal Bis.

Com criação e direção de Elisa Kriezis e Rodrigo Pinto – os mesmos da série documental Minha Loja de Discos, também exibida pelo canal -, Sons Urbanos leva ao público o trabalho de mais de 40 astros das ruas de Londres, Paris, Tel Aviv, Berlim, Atenas, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outras, revelando suas histórias e performances exclusivas em pontos turísticos destas cidades ou em locais comuns como pequenas ruas, mercados etc.

Por conta de Minha Loja de Discos, acabamos viajando muito e, como usamos muito transporte público, sempre nos deparamos com artistas geniais tocando nas ruas. Daí nasceu a ideia de documentar suas performances”, explica Elisa.

Entre os artistas registrados pela dupla de diretores estão os londrinos do The Thirst, que movimentam a capital da Inglaterra. “Em plena Oxford Circus, gravamos o The Thirst, uma banda indie que dirige um antigo táxi londrino pela cidade, tocando em lugares cheios de gente. Os caras vivem disso, têm vários hits que chegam ao público apenas nos shows de rua. E ainda vendem centenas de discos todo dia. Eles são muito populares”, comenta Rodrigo.

Além da banda, destacam-se, ainda, a sul africana Alice Phoebe Lou, dona de uma voz poderosa e delicada, capaz de juntar centenas de pessoas em cada performance de meia hora nas ruas de Berlim. Ou ainda o talentoso Johnny Holiday, que canta canções charmosas e imita um trompete com os lábios, fazendo dançar os frequentadores do popular Columbia Flower Market, em Londres. E o conjunto de jovens vozes masculinas Dhothe Kithe, na praça Syndarma, em Atenas. Astros das ruas brasileiras, principalmente Rio e São Paulo, como os performáticos Beach Combers, na capital carioca, e o groove paulistano do Chaiss na Mala, também são contemplados em Sons Urbanos.

Gravamos em trens, calçadas, parques, cantinhos e grandes praças. Tivemos que nos adaptar ao estilo guerrilha da vida destes músicos para mostrar de perto seu trabalho”, acrescenta Rodrigo. “A ideia foi levar para a TV o som e as imagens que ouvimos quando estamos bem perto dos artistas de rua, uma experiência que só acontece ao ar livre e nas grandes cidades. E encontramos artistas maravilhosos, que mudam a vida de quem anda pelas ruas”, completa Elisa.