Obras cinematográficas são documentos notáveis que dão testemunha de seu tempo. Um dos paradoxos da arte é que grandes obras são atemporais, ao mesmo tempo em que estão profundamente arraigadas em sua época.

A História Oculta de King Kong, que o Film&Arts exibe no dia 10 de julho, quinta-feira, às 21h, contextualiza o retrato de uma época que envolveu a crise europeia da década de 1920, a I Guerra Mundial e a Grande Depressão, em 1929, sendo considerada ideal para a idade de ouro do cinema fantásticos. Grandes medos de todo o mundo são refletidos no filme de 1933 em que a besta humaniza-se ao apaixonar-se por uma jovem estrela.

Além disso, os diretores Merian C. Cooper e Ernest B. Schoedsack também são espelhos desse período, uma vez que ambos eram aviadores na Europa e lutaram contra o Exército Vermelho, porém, após algum tempo tornam-se cineastas.