O canal de TV por assinatura GNT exibe neste domingo, dia 27 de setembro, a partir da 0h (na madrugada de domingo para segunda), uma edição inédita do programa Irritando Fernanda Young com a participação do cantor Marcelo D2.

- Publicidade -

Numa conversa sobre música e preconceito, a apresentadora pergunta ao rapper o que ele acha de um assunto em pauta ultimamente: se o usuário da maconha é ou não cúmplice do tráfico de drogas. "Acho isso uma besteira. É difícil dizer que o usuário financia o tráfico. As armas que são usadas nas favelas do Rio de Janeiro, por exemplo, são russas, iraquianas e americanas. Não tem um usuário que leva lá. A gente tem uma polícia corrupta. Todo mundo tem culpa nisso. O usuário também" o convidado responde.

Fernanda comenta com D2 que considera a música "Qual é?" um hino contra a caretice. E o músico lamenta: "O mundo está dominado pelos babacas". No entanto, reconhece que o Brasil serve de inspiração para sua arte: "Se eu morasse na Austrália, seria um falido como rapper". O convidado conta que nos últimos anos tem tentado ampliar o leque e escrever sobre outras coisas. Mas assume que escreve melhor quando está de "saco cheio e reclama da vida".

A apresentadora quer saber ainda qual foi a intenção de D2 quando ele aceitou tocar em uma boutique de luxo em São Paulo, situação que lhe rendeu várias críticas na época. "Acho um preconceito muito errado achar que todo branco playboy é racista e todo preto e favelado é ladrão. Não vejo diferença nas pessoas. Era um cachê bom para mim, eu estava vindo morar em São Paulo e estava precisando daquela grana". Fernanda resume, dizendo que ele conseguiu sair do underground sem corromper sua ideologia: "Faço música para todo mundo, e não só para os meus amigos".

- Publicidade -