No último dia 12 de setembro, o cinema perdeu um de seus maiores representantes: o diretor francês Claude Chabrol, aos 80 anos. Além de marcar a história da sétima arte com seu estilo único, suas produções continuarão sendo reverenciadas pela originalidade e pelos temas fortes e provocativos. Em homenagem a esse grande mestre da sétima arte, o Eurochannel exibe uma programação especial no dia 21 de setembro, terça-feira, a partir das 20h.

No documentário Grande Carrossel: O Que Motiva Claude Chabrol? (Le Grand Manège), às 20h, o diretor é convidado para uma mesa redonda em um jantar na ilustre companhia de nomes como Stéphane Audran, Sandrine Bonnaire, Michel Bouquet, Suzanne Flon e Thomas Chabrol, filho do cineasta. Na sequência vai ao ar O Açougueiro (Le Boucher, 1970), às 21h, filme pelo qual Stéphane – que foi casada com o cineasta por 16 anos -, ganhou o prêmio de Melhor Atriz, no Festival de San Sebástian (Espanha).

Nascido na capital francesa em 1930, Claude Chabrol estudou Farmacologia na Universidade de Paris. Após o serviço militar, manifestou, pela primeira vez, interesse pelo cinema e trabalhou, por um breve período, no departamento de publicidade da 20th Century Fox na França. Porém, a carreira cinematográfica de Chabrol começou, realmente, em 1950, quando se tornou um dos lendários críticos da revista Cahiers du Cinema.

Mais tarde, ao lado de François Truffaut e Jean-Luc Godard, Claude Chabrol fundou a Nouvelle Vague, o mais significativo movimento do cinema europeu desde o neo-realismo e, possivelmente, uma das linhas divisórias da história cinematográfica.

Em mais de 40 anos de carreira, dirigiu, entre outros, Os Primos (Les Cousins, 1959), pelo qual recebeu o Urso de Ouro no Festival de Berlim; Assassinato Por Amor (Les Innocents Aux Mains Sales, 1974), Profecia de Um Delito (Les Magiciens, 1975), Laços de Sangue (Blood Relatives, 1978) e O Sangue dos Outros (The Blood of Others, 1985).