Uma grande história de amor, uma saga familiar que atravessa gerações. Velho Chico narra o enredo do romance entre herdeiros de famílias rivais, que se entrelaça à trajetória de luta pelo renascimento do rio São Francisco. Entre coronéis, pescadores e sertanejos do semiárido nordestino, a novela abordará temas como a conservação do meio ambiente e as novas formas de produção.

Neste contexto, a Globo selou uma parceria inédita com a organização ambiental Conservação Internacional (CI-Brasil), que fará a colaboração técnica de conteúdo para a novela. O anúncio foi realizado nesta última segunda-feira, dia 7 de março, durante o evento ‘Vozes do Velho Chico’, que reuniu personagens locais e profissionais de diferentes áreas em torno de temas ligados às raízes da cultura regional, conservação do meio ambiente e formação da identidade brasileira.

Com o objetivo de ampliar o alcance de temas relacionados à sustentabilidade entre o grande público – tendo como ponto central a busca pelo equilíbrio entre homem, natureza e formas de produção – a CI-Brasil vai fornecer conteúdo de base para a trama da nova novela das 21h da Globo. Ele será focado na porção do médio e baixo rio São Francisco, uma área que abrange parte do Cerrado e da Caatinga brasileira – região que corta o semiárido nordestino – onde se localiza a fictícia cidade de Grotas do São Francisco, palco principal onde a novela se passará.

A parceria se dará por uma agenda de colaboração permanente dos especialistas da CI-Brasil com os autores da novela. ‘Velho Chico’ traz histórias de produtores rurais, fazendeiros e pescadores que têm suas vidas entrelaçadas pelas transformações vividas pelo rio São Francisco. À medida que eles vão se deparando com os dilemas próprios de quem vive na região – a escassez de água, a devastação – a CI-Brasil alimentará os autores de informações técnicas que possam enriquecer as tramas de alguns personagens. Para além da história de amor que conta ‘Velho Chico’, a Globo e a CI-Brasil pretendem sensibilizar o público para a transição para um modelo de agricultura sustentável, onde manter a natureza protegida é parte da solução para garantir a produção alimentar e o bem-estar da sociedade.