Vacinas de diversos laboratórios chegam hoje ao braço de milhões de brasileiros e são a arma mais importante na proteção contra o coronavírus. Mas para que esse momento se tornasse real, foram muitos estudos clínicos e testes controlados, que contaram com um importante fator humano: os voluntários.

- Publicidade -

No domingo (1º), a GloboNews exibe o documentário “voluntário ****1864 – quem são os anônimos da vacina?”, produção com histórias de brasileiros que decidiram participar do processo de desenvolvimento dos medicamento. No mesmo dia, o filme, dirigido por Sandra Kogut, será disponibilizado para assinantes no Globoplay.

O documentário acompanha dez personagens a partir do momento em que preenchem o cadastro para participar dos estudos. A expectativa de serem aceitos ou não, o momento da aplicação da vacina, a rotina nos meses seguintes e o momento mais esperado: descobrir se receberam placebo ou vacina. Tudo feito em formato de diário pessoal e produzido de forma remota pelos próprios personagens. Sem filtros, os voluntários contam as motivações que nortearam a decisão, como o relacionamento com amigos e familiares foi afetado e os sentimentos ao receberem notícias de fracassos ou sucessos clínicos dos laboratórios.

A partir dessas histórias, Sandra Kogut monta um painel de como o Brasil enfrentou a pandemia, como lidou com as decisões dos governantes e com informações muitas vezes desencontradas. Histórias humanas como a de seu Newton, que topou participar do processo após a insistência das duas filhas. Morador da zona rural, ele nunca tinha tomado vacina. Ou a da médica Ana Marcela, de São Paulo, que decidiu ser voluntária por se incomodar com a propagação de fake news sobre a vacina e por ver de perto o alto número de mortes causadas pela doença no hospital onde trabalha.

voluntário ****1864 – quem são os anônimos da vacina?” estreia dia 1º de agosto, às 23h no GloboNews e também no Globoplay.

- Publicidade -