Único programa da televisão brasileira que aborda o lado positivo da periferia, o Manos e Minas está de volta à grade da TV Cultura. A partir de sábado, dia 27 de novembro, às 18h, o público terá a oportunidade de rever os b-boys, as b-girls, Erick Jay, Cris Gomes, Buzo, os grafiteiros e MCs, além do músico e apresentador Max B.O. – com seu carisma indiscutível – a todo vapor no palco do Teatro Franco Zampari, em São Paulo.

O programa ganhou mais uma apresentadora: a cantora e compositora Anelis Assumpção, que traz seu charme para o palco do programa, ao lado de B.O.

Banda ao vivo

Outra grande novidade é a presença de uma banda residente no palco da atração. E para isso foi escolhido o ProjetoNave. O grupo teve início em 1997 e traz em suas influências o rap, funk, hardcore, folk e blues. Com uma pesada e distorcida guitarra elétrica, uma percussão forte, scratches nervosos, o ProjetoNave já passou por diversos festivais, inclusive vencendo o Skol Rock de 1999, onde tocou para mais de 30 mil pessoas. Com levadas como Alien Nação, Trinco dos Sonhos, Aviso, entre outras, a banda tem como integrantes Akilez (voz, mpc, escaleta e programações), Daniel Gralha (voz, trompete, fluguel horn e escaleta), Alex Dias (contrabaixo acústico e elétrico), Marcopablo (guitarra), Flávio Lazzarin (bateria) e DJ B8 (toca discos e samplers).

Cenário

O visual do programa também está renovado. As diversas telas espalhadas pelo palco foram grafitadas pelo grupo Opni (Objetos Pixadores Não Identificados), que surgiu em 1997 com 20 jovens da periferia de São Paulo, cujo objetivo era só fazer pixação. Hoje o trabalho deles é conhecido como graffiti art ou muralismo. Pintados a seis mãos, os painéis do novo cenário do Manos trazem a arte desses garotos, com desenhos que remetem à metrópole, periferia, becos, figuras do cotidiano, tudo numa pegada bem colorida, forte e marcante.

A plateia também está diferente. Agora o público pode ficar mais perto dos artistas, num espaço em frente do palco, e não mais sentados nas poltronas. Com isso, os jovens podem dançar e se movimentar bem mais à vontade.