O início do punk no Brasil é tema de "O Fim do Mundo, Enfim", documentário e show inéditos que o SescTV apresenta no dia 11 de março, sexta, a partir das 23h. Com curadoria de Clemente Nascimento, integrante da banda Inocentes, e direção geral de Camila Miranda, as produções foram gravadas em 2012, no Sesc Pompeia, na capital paulista, em evento de comemoração aos 30 anos do primeiro festival punk do Brasil, O Começo do Fim do Mundo. O festival de 1982 aconteceu no mesmo local que reuniu as principais bandas em atividade e contou com Garotos Podres, Ratos de Porão, Olho Seco, Cólera, entre outras.

O documentário revela a importância e o processo de criação do festival punk, que juntou filhos de operários, que resolveram expor nas ruas e no punk rock os seus pensamentos e inquietações. O dramaturgo, escritor e jornalista Antonio Bivar, autor do livro O Que É Punk e organizador do festival histórico, recorda que essas pessoas não tinham lugar para tocar. “Lembrei que a maioria era empregado do comércio”, diz. Com a ideia de promover o evento, Bivar se juntou a músicos como Callegari, da Inocentes e da Condutores de Cadáver, e Mingau, da Ratos de Porão, e procuraram o Sesc. “Toparam na hora”, recorda Bivar.

Nasceu então o festival O Começo do Fim do Mundo, reunindo 20 bandas de punk rock nos dias 27 e 28 de novembro daquele ano. O evento apresentou shows, exposição, debates, oficinas, fanzines e exibiu filmes. Teve repercussão internacional, com reportagem publicada no Post, dos Estados Unidos. “O festival acaba sendo o grande evento que lança o punk rock para o público mais geral”, comenta Moo, da Garotos Podres.

Além disso, o documentário fala sobre o papel do festival para por fim a um conflito que existia entre os punks da capital paulista e os do Grande ABC, na região metropolitana de São Paulo; sobre a organização do festival; sobre a musicalidade de cada grupo; sobre a poética das letras; sobre a militância dos punks; e sobre o preconceito que existia contra eles.

Já o show, que será exibido na sequência, apresenta as bandas Inocentes; Devotos; Os Excluídos; Garotos Podres; Attaque 77, da Argentina; Flicts; Ratos de Porão; Invasores de Cérebros; Questions; Cólera; Restos de Nada; Agrotóxico; Olho Seco; Lixomania; e Condutores de Cadáver. No repertório, clássicos do punk nacional, mesclando áudio e imagens originais com atuais. O espetáculo é pontuado por depoimentos dos músicos, que falam sobre as influências das bandas.