A TV Cultura exibe neste domingo, dia 14 de novembro, às 20h30, o especial Jornal da Cultura Entrevista com Ingrid Betancourt, a ex-senadora colombiana que passou seis anos em poder das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Numa entrevista emocionada, concedida à jornalista Maria Cristina Poli, Ingrid faz revelações exclusivas sobre o martírio no cativeiro e a relação entre os sequestrados e os guerrilheiros. Também fala sobre a saudade que sentia dos filhos, o papel das FARC e o recém-lançado livro Não há silêncio que não termine (Companhia das Letras).

O programa tem início com a sua libertação numa cinematográfica operação do Exército colombiano, em 2008. "Essa é uma das partes mais emocionantes do especial, em que Ingrid fala sobre o resgate”, enfatiza Poli.

Em seguida, o público confere detalhes a respeito de seu sofrimento e das humilhações que sofreu na selva colombiana, bem como os conflitos internos. Ingrid ainda dá sua definição sobre o que representa as FARC, atualmente.

A ex-refém também fala sobre a polêmica gerada em função da indenização de US$ 6,5 milhões que pediu ao governo colombiano e de sua mágoa com o povo daquele país, que, segundo ela, desde então a vê como alguém sem caráter.

Betancourt diz que sentia muita saudade dos filhos e que até tentou esquecê-los para diminuir o sofrimento. E que carregava uma foto deles junto de si, assim como uma chave de um apartamento, para ter a sensação que podia abrir algo. Conta, ainda, que não teve relações afetivas durante o cativeiro, que se anulou como mulher e até parou de menstruar.