Na próxima segunda-feira, dia 18 de outubro, às 23h30, a TV Cultura dá a primeira bandeirada para uma longa maratona audiovisual. É a estreia do Cultura Documentários. A faixa pretende revalorizar os documentários internacionais dentro da tevê aberta e abrir mais um espaço para os nacionais. A apresentação e curadoria (neste caso só dos internacionais) são do jornalista e crítico de cinema Amir Labaki, fundador do bem sucedido festival É Tudo Verdade.

Os títulos são dos mais diversos, muitos deles premiados – no meio, tem vencedores de Emmy e de Oscar. Há preciosidades como Cartas ao presidente, Nota a nota: a fabricação do Steinway L 1037, Bukowski, Esquecimento e De Mao a Mozart.

A exibição é de segunda a sexta. Os documentários são distribuídos em cinco grandes grupos, de acordo com o dia da semana: biografias, produções nacionais, artes, longas-metragens e sociedade. “É uma forma de localizar o espectador”, esclarece Labaki.

Filme de estreia

O nome é Glenn Gould: A vida interior, e esmiúça vida e arte do pianista canadense que dá título ao vídeo, reconstruindo seus pensamentos a respeito da música, arte, sociedade e amor. A trama é entrecortada de depoimentos de críticos de música e amigos íntimos de Gould. No recheio, há gravações reveladoras de apresentações e ensaios.