Olá, internautas

- Publicidade -

Nesta sexta-feira (08/10), a reprise de “Ti-Ti-Ti” chegou ao fim. A TV Globo, na realidade, perdeu uma grande oportunidade em exibir a novela na faixa das 19 horas. Alcançaria mais êxito que Pega Pega ou Haja Coração, por exemplo. Erraram feio com a escalação da trama na faixa do Vale a Pena Ver de Novo. Uma pena. Os índices de audiência ficaram abaixo de seu potencial. Ao redor dos 15 pontos.

Com a extinção do UOL Blogs, aproveitamos a oportunidade para resgatar as nossas análises neste espaço. Portanto, segue o balanço final de “Ti-Ti-Ti” com os pontos positivos e negativos, publicado originalmente em 19 de março de 2011.

__________

Pontos positivos e negativos: Sucesso marca “Ti-Ti-Ti”

Olá, internautas

Nesta sexta-feira (18/03), a Rede Globo exibiu o último capítulo da inesquecível novela “Ti-Ti-Ti”, adaptada por Maria Adelaide Amaral. A obra resgatou a faixa horária que cambaleou com “Tempos Modernos”. O texto refinado de Maria Adelaide, a direção competente de Jorge Fernando e um elenco que se entregou na trama formaram o tripé do sucesso conquistado. “Ti-Ti-Ti” versão 2010-2011 fica, sem dúvida, entre as melhores novelas das sete dos últimos 15 anos (na minha opinião, a melhor).

“Ti-Ti-Ti” não é um simples remake. Maria Adelaide costurou duas obras clássicas, a própria “Ti-Ti-Ti” e “Plumas e Paetês”, e inseriu histórias inéditas de excelente qualidade. Inegavelmente, é uma novela com o DNA de Maria Adelaide Amaral. Como já é tradição deste espaço, segue o balanço final com os pontos positivos e negativos.

Pontos positivos

Marcela e Edgar: Isis Valverde e Caio Castro foram, de fato, as grandes atrações da novela. O casal roubou a cena. Isis mostrou todo o romantismo da personagem Marcela que conquistou o carinho do público. Já Caio Castro deu conta do recado ao viver um personagem mais velho e sinalizou uma importante renovação no elenco de galãs da Globo. Também merece destaque o ator Guilherme Winter que interpretou Renato. Uma parte dos telespectadores se encantou com o rapaz e desejou que Marcela ficasse com ele no último capítulo.

Jaqueline Maldonado: Claudia Raia arrebentou em “Ti-Ti-Ti”. A atriz viveu a tresloucada Jaqueline Maldonado que deixará enormes saudades. Cada cena era um “flash”! Ilariê virou hino oficial da personagem. Seu melhor momento apareceu na versão Irmã Desgosto. Impagável.

Jacques Leclair e Victor Valentim: Alexandre Borges e Murilo Benicio enfrentaram o desafio de dar vida a dois personagens ícones da história da teledramaturgia brasileira: Jacques Leclair e Victor Valentim. Borges angariou simpatia e rejeição, ao mesmo tempo, entre os telespectadores ao apostar em uma personagem mais caricatural. No final das contas, pelo menos para mim, alcançou resultado positivo. Benicio também se saiu bem no papel de Victor Valentim.

Julinho e Thales: Maria Adelaide Amaral e equipe de colaboradores escreveram com delicadeza e ao mesmo tempo com contundência a história de Julinho e Thales (Armando Babaioff). Os dois personagens já entraram para a história da teledramaturgia. André Arteche, que recentemente viveu Indra, em Caminho das Índias, conseguiu dar vida a um personagem completamente diferente. Fez o papel com dignidade.

Mabi e Lipe: Mabi deu orgulho para todos nós, blogueiros! A jovem atriz Clara Tiezzi foi muito bem. Já o “veterano” David Lucas mostrou que veio para ficar. Os diálogos dos dois personagens foram ótimos momentos dentro da trama.

Final da Stefany: Realmente a autora estava inspirada em “Ti-Ti-Ti”. Stefany terminou como vitoriosa de um reality show, após ter fingido que estava grávida, somente para conquistar espaço na mídia e detonar a imagem da prima Desiree. Ficção e realidade se misturaram?

Juliana Alves: em “Ti-Ti-Ti”, tivemos uma ex-participante do “BBB” que superou todo o preconceito que estigmatiza os ex-realities. Juliana arrasou no papel de Clotilde. Segura, decidida e muito à vontade em meio aos veteranos atores.

Cena do casamento de Thaisa e Dr. Eduardo: A cena da união matrimonial de Thaisa (Fernanda Souza) e Dr. Eduardo (Josafá Filho) com certeza inspirará mais casamentos reais. Noivos e padrinhos entraram na Igreja em ritmo de dança. Bem bolado, como diria Silvio Santos.

Final da Camila e Luti: Maria Helena Chira e Humberto Carrão também se destacaram em “Ti-Ti-Ti”. Camila e Luti mereceram o final feliz. A personagem Val, interpretada por Juliana Paiva, perdeu brilho no decorrer dos capítulos.

Participações especiais: As participações especiais funcionaram como uma homenagem ao autor Cassiano Gabus Mendes. Mario Fofoca, Divina Magda e até Rafaela Alvaray ressuscitaram no vídeo. Uma ausência sentida foi do ator Reginaldo Faria que deveria ter participado da trama. Outra participação especial que não pode ser esquecida foi da eterna rainha dos baixinhos Xuxa, ícone dos anos 80, período de exibição da original Ti-Ti-Ti.

Rony Pear (Otávio Reis) e Help (Beth Gofman): duas figuraças!

Pontos negativos

Final da Luisa (Guilhermina Guinle): Luisa aprontou todas durante a novela, tentou matar a mocinha Marcela e ainda sai bem com um garotão a tiracolo?

Rebeca Bianchi e Higino: dois experientes atores, Christiane Torloni e Marco Ricca, não brilharam em “Ti-Ti-Ti”. A história da Rebeca e Higino, amor entre uma mulher rica e um homem pobre, sobrou na novela.

Fabio Maksymczuk

- Publicidade -