Vcfaz.tv
Agora na TV Mistérios do Universo
22:12 - 23:00
Trilhas Sonoras
22:00 - 23:00
11.22.63
22:30 - 23:30
revista eletronica  
    Você está lendo um tópico
Novo Tópico Responder Mensagem 

Papo Aberto > Política   
Decisão da Câmara de abolir contrapartidas a Estados é um desastre
As mensagens são de responsabilidade de seus autores.
Este tópico possui Mensagens 1 respostas e Visualizações 97 visitas.


Ricardo em 28 Dez 2016 - 10:57       Administração
anos | Ago 2003 | Mensagens: 5148 | Pontes e Lacerda-MT
  
 


Decisão da Câmara de abolir contrapartidas a Estados é um desastre
Alexandre Schwartsman - Colunistas

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandres...um-desastre.shtml

Não é a primeira vez que escrevo sobre a questão estadual. Já em 2009, na forma de uma parábola, argumentava que os Estados cujas dívidas haviam sido renegociadas nos anos 1990 tinham se beneficiado à custa dos Estados mais pobres. Ainda assim, tentavam incessantemente obter novos privilégios, sempre culpando sua dívida por seus problemas.

Isto é, como já afirmei, falso. A dívida total dos Estados correspondia a 15,5% do PIB no final de 2001; em outubro deste ano não passava de 11,3% do PIB. Em particular a dívida renegociada nos anos 90 foi reduzida de 11,7% do PIB em 2001 para 8,1% do PIB no mesmo período. Por qualquer ângulo que se examine, o endividamento estadual é bem menor do que era, embora tenha piorado de 2013 para cá.

A deterioração resulta essencialmente do aumento dos gastos do conjunto dos Estados. Em 2011 os gastos atingiram (a preços de 2016) R$ 727 bilhões (11,8% do PIB); já nos 12 meses terminado em junho deste ano foram a R$ 835 bilhões (13,4% do PIB), aumento 15% superior à inflação. Dentre estes, a maior contribuição veio do gasto com pessoal, que passou de R$ 246 bilhões (4,2% do PIB) para R$ 307 bilhões (4,9% do PIB), superando a inflação em nada menos do que 18%.

De forma mais concisa, se os Estados se encontram em crise, a culpa é dos gestores que permitiram o descontrole, muitas vezes justificado com base em receitas voláteis, quando não temporárias.

Por outro lado, como se aprende em qualquer livro-texto de economia, os incentivos importam. Nesse sentido, a decisão da Câmara da semana passada de permitir nova rodada de reestruturação das dívidas estaduais sem contrapartida de medidas de ajuste fiscal não é um desastre apenas para a atual administração federal, mas também para todas que virão.

O projeto original previa que, em troca da suspensão do pagamento de suas dívidas por três anos, Estados teriam que elevar a contribuição previdenciária de seus funcionários de 11% para 14%, adotar regimes previdenciários equilibrados, bem como eliminar incentivos fiscais e tributários, além de uma série de providências para recolocar suas contas em ordem. Nada permaneceu na versão aprovada.

É verdade que o governo federal ainda pode impor essas mesmas exigências para reestruturar as dívidas, mas, na prática, isso obriga a equipe econômica a uma negociação caso a caso, não só mais demorada, mas também mais difícil do que seria em um cenário de aplicação de um conjunto de regras gerais definidas a priori.

As chances, portanto, que a União tenha, mais uma vez, que subsidiar os Estados irresponsáveis (à custa, vale lembrar, dos mais pobres) aumentou ainda mais.

Além disso, ao novamente premiar os infratores, a decisão da Câmara dos Deputados manda uma clara mensagem para as próximas gerações de governadores (e prefeitos): fiquem à vontade para gastar quanto quiserem. A conta, no final, será empurrada para o conjunto de contribuintes –somente uma fração dos quais reside no Estado.

Não é necessário um grande exercício de imaginação para concluir que esse incentivo gera um equilíbrio perverso, em que o gasto de cada Estado é maior do que seria sem essa garantia explícita.

Assim como no almoço entre amigos, todos se sentirão à vontade para pedir sobremesa, na crença cega de que os demais pagarão por ela.


Responder com Citação    




Ademir em 28 Dez 2016 - 13:50       
anos | Abr 2008 | Mensagens: 2588 | Paranavaí - PR
  
 


Desastre muito maior é o controle de gastos não atingir de forma alguma a classe política, comissionados, além dos privilegiados de sempre, como o judiciário.

Responder com Citação    







Enviar Mensagens Novas: Proibído
Responder Tópicos Proibído
Editar Mensagens: Proibído
Excluir Mensagens: Proibído
Votar em Enquetes: Proibído






VCVIP
Usuário:  
Senha:  
Lembrar 
Cadastre-se!
Mundosat
E shop Satelite
Agenda
Novelas

Compare no BuscapÉ


vcfaz.tv
RSS RSS Facebook Twitter Youtube
Na Televisão
Últimas Notícias
Novelas
Guia de TV

Programa Avesso

Colunas
Agenda de estreias
Entrevista
FabioTV
No Controle
Top Músicas

Fóruns de Debate
TV
  ├ On Demand
  ├ NET Claro
  ├ Oi
  ├ SKY
  └ Vivo
Satélite
  ├ Equipamentos
  └ Feeds
Papo Aberto
  ├ Esportes
  ├ Promoções
  ├ Política
  └ Tech
Sobre o vcfaz.tv
Fale Conosco
Parcerias
Regras de Participação
Ajuda
Newsletter
Receba diariamente as notícias em seu email.

Email:

Delivered by FeedBurner

Powered by phpBB © 2001, 2002 phpBB Group