Em dezembro, o canal MGM exibe toda sexta-feira grandes produções do cinema mundial que retrataram o velho oeste americano no bloco "MGM Wild West". A exibição ocorre sempre às 22h e tem reprise na tarde do dia seguinte. Confira abaixo os destaques para o próximo mês:

Fort Defiance
7 de dezembro

Fort Defiance, EUA/1951. Direção: John Rawlins. Elenco: Dane Clark, Ben Johnson e Peter Graves. Gênero: Western. Após a guerra civil, Ben Shelby procura por Johnny Tallon, para matá-lo. Durante a procura são atacados por índios e agora devem lutar juntos, adiando o inevitável confronto.

The Wonderful Country
14 de dezembro

The Wonderful Country, EUA, 1959. Direção: Robert Parrish. Elenco: Robert Michum, Julie London e Gary Marril. Gênero: Western. Tendo fugido dos Estados Unidos para o México há muitos anos, por ter matado o assassino de seu pai, Martin Brady viaja ao Texas para fechar um negócio de armas para seu chefe mexicano, o governador Cipriano Castro. Mas Brady quebra a perna e, enquanto está em recuperção no Texas seu carregamento de armas é roubado.

No tempo das diligências
21 de dezembro

Stagecoach, EUA/1939. Direção: Jonh Ford. Elenco: Claire Trevor e John Wayne. Gênero Faroeste. Duração 120 min. Clássico do gênero com o ícone John Wayne. O filme conta a história de uma prostituta, um médico e um pistoleiro, viajando numa diligência que é atacada por índios.

A vingança de um pistoleiro
28 de dezembro

High Noon, EUA, 2000. Direção: Rod Hardy. Elenco: Tom Skerritt, Susanna Thompson, Reed Diamond, Maria Conchita Alonso, Dennis Weaver, August Schellenberg.Gênero: Western. Refilmagem de Matar ou Morrer (1952), faroeste memorável que rendeu um Oscar para Gary Cooper. Nesta versão, Tom Skerritt é o xerife Will Kane, que no dia de sua aposentadoria e de seu casamento com a bela Amy (Thompson), recebe a notícia de que um pistoleiro, um matador mandado para a prisão muitos anos atrás por ele, está chegando de trem para se vingar. Para complicar, ninguém da cidade está disposto a ajudá-lo. Apesar da promessa feita para sua mulher, Kane decide ficar e enfrentar o assassino, mesmo sabendo que fará isso sozinho! Críticos que adoram caçar “metáforas” e referências políticas em tudo, gostam de fazer relações (frequentemente forçadas) entre essa trama emblemática do western americano e a postura dos EUA atualmente no mundo.