O Brasil está no radar de novos imigrantes que buscam oportunidades de emprego. O país tem se destacado como uma economia emergente e estável. Em três anos, o número de vistos de trabalho para estrangeiros no Brasil dobrou. Nesta terça-feira, dia 31, Caco Barcellos e sua equipe mostram um panorama dessa realidade e contam como vivem os estrangeiros que buscam trabalho por aqui. E ainda exibem uma reportagem sobre a vida agitada das sacoleiras angolanas que levam produtos brasileiros para revender no seu país.

Eliane Scardovelli mostra a chegada desses novos trabalhadores ao país. Ela acompanha um casal de suecos em sua primeira semana em São Paulo. Eles se impressionam com o trânsito, com as favelas e a poluição do rio Pinheiros, mas mesmo assim decidem ficar na capital paulista. A repórter também mostra a dificuldade dos estrangeiros com a língua portuguesa. A americana Wendy Thomas, por exemplo, estuda português há um ano e ainda tem problemas quando vai fazer compras no supermercado.

No Brás, o maior centro de comércio popular de São Paulo, circulam todos os dias cerca de mil angolanos. A maior parte é de sacoleiros em busca de chinelos brasileiros pra revender no seu país. O repórter Fernando David acompanha as compras de Maria Isabel, que faz esse caminho desde 1995, e já perdeu a conta de quantas vezes veio ao Brasil. E Madalena, que chega a levar R$ 20 mil em chinelos e roupas apenas em uma viagem.

Outro produto que conquistou as angolanas é o cabelo brasileiro, usado para aplique. Um aplique da cabelo natural chega a ser vendido em Angola pelo equivalente a R$ 800. Por conta das novelas brasileiras exibidas em Angola, as mulheres buscam um visual próximo das atrizes. Atualmente o grande sucesso é o visual da Taís Araújo.

No Rio de Janeiro, a repórter Danielle França encontra um grande número de estrangeiros morando nos morros cariocas. Um exemplo são os portugueses, João Ruas e Ricardo Jorge, que vieram para o Brasil em busca de oportunidade de trabalho e escolheram a comunidade pacificada no Vidigal para morar, pois os aluguéis são mais baratos. João faz faculdade de nutrição no Brasil e Ricardo trabalha como garçom. Aproveitando a vista que têm, os dois decidiram abrir um restaurante.

No morro dona Marta, também no Rio de Janeiro, vivem 90 estrangeiros. A reportagem do programa acompanha a história do italiano Diego Baronio. Quando tomou a decisão de se mudar para o Rio, ele fez um documentário apresentando a comunidade e os novos vizinhos paras os amigos e a família que ficaram na Itália.

A reportagem ainda mostra que a violência é uma da principais preocupações dos estrangeiros que se mudam pra cá. Em São Paulo, Caco Barcellos faz um perfil do jovem italiano Tommazo Lotto. O bancário chegou ao Brasil para procurar trabalho na sexta-feira, 20 de julho. No dia seguinte, morreu numa tentativa de assalto num semáforo de São Paulo. O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar às terças-feiras logo após ‘Gabriela’.