Há 11 anos um atentado terrorista mudou a história do mundo. O NatGeo estreia no dia 2, a partir das 22h, três programas que proporcionam um outro olhar para os ataques de 11 de setembro no World Trade Center:

11 de Setembro: Vivendo uma Mentira
Às 22 horas

Um documentário que mostra o que se passa na mente da sobrevivente mais famosa de 11 de setembro: Tania Head, vítima de um inferno inimaginável, feridas profundas e a trágica perda de seu namorado, Dave, na Torre Norte.

Tania ficou famosa nos Estados Unidos quando se tornou presidente da Rede de Sobreviventes do World Trade Center, levando os sobreviventes ao caminho da recuperação.

Tania pediu ao diretor Angelo J. Guglielmo Jr. para fazer um documentário sobre seu grupo e, com isso, eles se tornaram grandes amigos. Ela deu uma série de entrevistas de grande sucesso, contando sua experiência com detalhes arrepiantes. Mas o documentário toma um rumo inesperado quando o diretor descobre que, na verdade, ela nunca esteve presente nas Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001 e que sua história era um produto de sua imaginação prodigiosa.

Os eventos são contados a partir de uma perspectiva nunca explorada, em que o mistério psicológico da impressionante história de Tania é desvendado. O documentário mostra o relato de sua história, a revelação de sua falsidade, as reações de seus colegas mais próximos e as repercussões para, finalmente, tentar responder à questão que ainda permanece: Quem é Tania Head?

11 de Setembro: Últimos Momentos
A partir das 22h45

O NatGeo exibe gravações inéditas dos controladores de tráfego aéreo, da Autoridade Federal de Aviação, das Forças Armadas e dos sequestradores, além de depoimentos de pessoas que participaram delas. Também são apresentadas mensagens telefônicas deixadas por passageiros de aviões e entrevistas íntimas com membros de suas famílias, que se lembram dos momentos finais de seus entes queridos.

Os Bombeiros do 11 de Setembro
A partir das 23h30

Um programa comovente sobre as dramáticas experiências dos bombeiros naquele dia nefasto, dos que morreram, dos que sobreviveram e daqueles que ainda mostram as cicatrizes daquela tragédia. Só agora, mais de dez anos depois, muitos dos bombeiros e suas famílias conseguem falar sobre o tema pela primeira vez. Sua coragem e sacrifício os transformaram em heróis nacionais, mas nos 11 anos que se passaram, muitos pagaram um preço terrível por sua bravura.