Textos polêmicos, eróticos e realistas. O estilo de escrever de Nelson Rodrigues marcou o teatro, a literatura, o jornalismo e a dramaturgia brasileira. Para comemorar o centenário do autor, o VIVA exibe a minissérie “Engraçadinha” a partir de 23 de agosto, data de seu nascimento, de segunda a sexta às 23h15.

A história é uma adaptação de Leopoldo Serran do folhetim “Asfalto Selvagem: Engraçadinha, Seus Amores e Seus Pecados”, publicado no jornal “Última Hora” entre agosto de 1959 e fevereiro de 1960. O texto é o primeiro a ser assinado por Nelson Rodrigues com seu nome verdadeiro. A minissérie é dividida em duas fases. A primeira se passa em Vitória (ES) nos anos de 1940 e a personagem Engraçadinha é interpretada por Alessandra Negrini, estreante na TV. A jovem de 18 anos é de família conservadora e noiva de Zózimo (Pedro Paulo Rangel), mas vive uma relação proibida com o primo Sílvio (Ângelo Antônio). Ele é noivo da melhor amiga de sua paixão, Letícia (Maria Luisa Mendonça), que, por sua vez, também esconde uma atração por Engraçadinha. Sílvio acaba descobrindo que é irmão da jovem e se mata na frente de seu amor. Ela, que está grávida, resolve se casar com Zózimo.

A segunda fase da história se passa no Rio de Janeiro 20 anos depois. Engraçadinha, agora interpretada por Claudia Raia, é uma mãe de família religiosa que acaba se rendendo aos encantos de Luiz Claudio (Alexandre Borges). Os dois vivem um tórrido romance às escondidas até que Letícia descobre tudo e começa chantagear Engraçadinha. Ela tenta fazer com que a amiga se entregue a ela sem sucesso. Sem conseguir realizar seus desejos, Letícia se mata e deixa tudo o que tem para Engraçadinha. Na série, Claudia Raia interpretou seu primeiro personagem dramático e foi muito elogiada pelo público e por críticos de dramaturgia.

Confira a abertura: