Inspirado no conto “A Biblioteca de Babel”, do escritor argentino Jorge Luis Borges (1899 – 1986), o espetáculo Biblioteca del Corpo foi concebido e dirigido pelo bailarino e coreógrafo paulistano Ismael Ivo – que vive no exterior desde 1983. A dança é apresentada por 25 integrantes do projeto L´ Arsenale dela Danza, da Bienal de Dança de Veneza, na Itália. Esse projeto foi criado por Ivo e busca o aperfeiçoamento de bailarinos. O coreógrafo também é diretor da Bienal.

Com estreia agendada para o dia 31 de outubro, quarta, às 24h, no SescTV, a atração integra a série Dança Contemporânea, cuja direção para TV é assinada por Antonio Carlos Rebesco.

Com cenário de Marcel Kaskeline, o espetáculo Biblioteca del Corpo mostra uma instalação que remete a uma enorme biblioteca, na qual corpos ficam expostos em compartimentos de vidro, tal qual livros arquivados em prateleiras. Quando esses cubos se rompem, os indivíduos saem em busca de troca de informações.

Conta Ismael Ivo que todo bailarino é como se fosse uma obra autêntica. “Cada livro que é arquivado nessa biblioteca precisa ser aberto, precisa revelar as suas capacidades, emoções, seus desejos, as suas informações, explica. Então, ‘o indivíduo’, como dizia Borges, ‘passa a vida tentando encontrar a ordem’, completa”.

Segundo o coreógrafo, para o escritor argentino, as pessoas sempre estão à procura da “ordem específica”, que a direcione ao livro exclusivo do conhecimento. E, a partir do momento que esses corpos de libertam dos espaços onde estavam arquivados, eles iniciam as suas trajetórias no “percurso existencial”, onde há “encontros, desencontros, acordos, desacordos, acertos, desacertos”. Ivo assegura que esses acontecimentos podem levar o indivíduo a “encontrar a sua escritura” e “virar as páginas de seu próprio livro”.