Reynaldo Gianecchini é o exemplo de que fé e força de vontade são fundamentais para a cura. E, após a recuperação de um câncer no sistema linfático, hoje, o ator comemora mais um ano de vida, cheio de saúde e disposição. Na semana em que ele completa 40 anos de idade, o GNT exibe um "Viver Com Fé" em sua homenagem. O ator e Cissa Guimarães conversam no palco do teatro Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. No mesmo episódio, a apresentadora bate um papo com Fernando Fernandes, ex modelo que participou da segunda edição do BBB. Quando estava no auge de sua carreira, sofreu um acidente de carro e ficou paraplégico. Fernando se reinventou e, atualmente, é tricampeão de canoagem.

Gianecchini faz questão de ressaltar a importância da fé em seu tratamento: "Estava com a morte na minha frente, mas acreditei na vida". Para ele, esta é a verdadeira fé. "Não estava na teoria. Antes, eu podia dizer que tinha fé. É muito bonito você ter na teoria, mas, e na prática? Estive ali, tive que testar a minha". Sobre como se sentiu ao saber do diagnóstico, ele conta à Cissa que tinha uma certeza muito grande de que aquilo tudo tinha uma razão. “Não me revoltei, não questionei nada. Acredito que a vida te joga na situação e não cabe a você reclamar. Queria que fosse de outro jeito, mas, se foi assim que ela me apresentou, pensei ‘tenho um puta desafio pela frente. Não sei o que vai acontecer, mas tenho certeza de que terminarei a jornada diferente de como comecei’”.


Cissa Guimarães e Gianecchini em "Viver com Fé"
Elisa Mendes/GNT

Nascido e criado em uma família católica, Giane assume que, apesar de não ter frequentado muito missas, acha difícil alguém viver sem fé. “É preciso acreditar em alguma coisa que não seja matéria apenas”. E descreve a vida como um mistério “tão grande”: “Temos que tentar ser um ser humano melhor todo dia. Tem que por o bem nesse universo”. A rotina de Gianecchini é outra depois da cura. “Hoje em dia, levanto e não me permito mais me estressar. Encaro o dia a dia com mais leveza, e não me preocupo com coisas pequenas e negativas”. Para ele, porém, serenidade não significa bondade o tempo todo. “Não quer dizer que viramos santos! Ainda me pego querendo xingar a pessoa do meu lado no trânsito”, brincou. “Mas respiro, e penso que é besteira”.

“Ele também prefere acreditar que tudo em sua vida foi uma lição de superação. Prefere agradecer a pedir”, se referiu Cissa a seu segundo convidado, Fernando Fernandes. Ele conta que sua vida sempre foi relacionada ao esporte de alguma forma. “Passei trinta dias num quarto de hospital. Ali sim pensei ‘se eu não voltar a andar, o que vou fazer da vida?’”. Ele conta ainda que sabia que algum esporte ia tirá-lo dali. Só não sabia qual. Foi então que optou pela canoagem, e ao tornar-se o primeiro campeão brasileiro na modalidade, descreveu a vitória como a resposta de sua vida. “Canoagem virou religião para mim. Foi meu psicólogo, foi minha namorada. Só queria saber de canoagem, virou minha vida”.

“Sou curioso, gosto da vida”, revela Fernando, que não deixa de pensar recuperar-se 100%: “Acredito até hoje e não vou deixar de acreditar”. Além do esporte, a natureza e a música foram fundamentais para sua superação. “Colocava ‘Tá Escrito’ (Revelação) para tocar e pensava ‘Vambora! Vamos para a luta aí!”.

As entrevistas serão exibidas no “Viver Com Fé” do dia 14 de novembro, às 20h, no GNT.