Milhões de dólares de produtos contrabandeados são apreendidos anualmente por agentes e oficiais do Departamento de Segurança Interna dos EUA no Aeroporto Internacional John F. Kennedy, em Nova York, um dos maiores para viagens internacionais no país. É um trabalho onde tudo – desde a segurança de sua equipe até a segurança da nação – está em jogo. Qualquer pedra sobre pedra deixada é uma oportunidade para a atividade criminosa que poderia colocar o país em risco.


Divulgação Nat Geo

Estreando na segunda-feira, dia 7 de janeiro, às 23h, no National Geographic Channel, a nova série “Traficantes” mostra o que está por trás dos scanners de raio-X e das portas de segurança no aeroporto JFK com oficiais da Alfândega e da Imigração dos Estados Unidos. Nada, nem ninguém, está acima de qualquer suspeita.

A Alfândega e Imigração do JFK trabalham em conjunto para limitar a quantidade de drogas ilícitas e mercadorias proibidas que entram nos Estados Unidos. Alguns oficiais ficam nas portas, controlando os passaportes e avaliando os passageiros; eles são a primeira linha de defesa, e têm a tarefa de observar atividades suspeitas e fazer indagações. Agente especiais da segurança interna levam os casos para o próximo nível para descobrir a verdadeira fonte da atividade criminosa, extraindo confissões. O National Geographic vai também para onde as câmeras são raramente permitidas – a sala de interrogatório com agentes que identificam, questionam e prendem criminosos, envolvidos em um jogo de gato e rato para descobrir a verdade.

O supervisor Joe Finn, que lidera uma equipe de oficiais, diz: "Eu amo pegar drogas … Quero dizer que é o que eu acho mais divertido do que qualquer coisa. E está sempre chegando …. É uma caçada. E quando você encontra, é muito gratificante. "

Pessoas empregam inúmeros métodos para contrabandear drogas para o país. Às vezes é uma forma inteligente de ocultação e, na maioria das vezes, nem tanto. Em um episódio, um detetive desvenda a história de um equatoriano que o raio-X revela que engoliu pelotas grandes de heroína líquida. Em outro episódio, uma busca aleatória de bagagens revela a cocaína no forro da bagagem de um garoto de 18 anos. Depois que ele foi preso, os agentes o convencem a cooperar e começar a dar nomes.

As drogas não são a única coisa que estes agentes estão procurando. Frutas, carnes e produtos estrangeiros são potencialmente portadores de pragas e bactérias que poderiam devastar a indústria agrícola do país. Estes produtos são confiscados e destruídos. Em 2011, foram, ao todo, 25 mil apreensões. Oficiais na sala de correio inspecionam cerca de 700 mil pacotes por dia procurando drogas, dinheiro falso, animais exóticos ou pior.